12 Outubro 2018

Olá, professores e diretores de escolas que aderiram ao PNLD Literário 2018!

Neste mês de outubro de 2018, vocês têm a importante tarefa de selecionar os livros literários que serão enviados para seus alunos. Como há ótimas e variadas opções, decidi escrever a vocês para indicar uma obra da qual sou grande admiradora. É uma excelente notícia saber que tantos alunos terão a chance de ler livros tão preciosos quanto aqueles selecionados para o PNLD Literário 2018!

Minha indicação é uma obra chamada Mindinho maior de todos, com poemas de Juliana Valverde e ilustrações de Feres Khoury. O universo infantil está contemplado no livro por meio de poemas muito instigantes, sonoramente agradáveis, permeados por assuntos como mundos e seres imaginários, o medo, a casa, o amigo, o irmão mais novo, a mãe, fadas e assim por diante. Você pode conhecer estas maravilhas clicando aqui.

Além disso, as imagens do livro fazem dele uma verdadeira coletânea de arte ao alcance dos alunos. Juntos, os textos e as imagens convidam os leitores a reflexões sobre importantes elementos de nossas vidas e sobre emoções humanas. Tudo isso faz dessa obra muito significativa para as mais variadas faixas etárias, sobretudo para crianças entre 8 e 11 anos.

Nas primeiras leituras, você e seus alunos certamente viverão momentos muito agradáveis de fruição literária e estética. Para além da fruição, o livro também pode constituir uma importante ferramenta pedagógica, pois contribui para a formação de leitores, para o estudo do gênero poema e para a ampliação do repertório dos alunos. Há um material de apoio ao professor bem completo e você pode conhecê-lo previamente clicando aqui.

A escolha do PNLD Literário 2018 ocorrerá do dia 18/10 ao dia 31/10. Fique atento ao prazo!

Veja mais informações:

 

Professores e dirigentes participam juntos dessa importante decisão. Depois, os diretores registram as escolhas no site pddeinterativo.mec.gov.br.

Não deixe de participar! Acesse o Guia Digital do PNLD Literário clicando aqui.

Você pode assistir à leitura de um dos poemas feita pelo Pablo Martins em nosso canal:

 

Boas escolhas!

 

Olá, professores e diretores de escolas que aderiram ao PNLD Literário 2018! Neste mês de outubro de 2018, vocês têm a importante tarefa de selecionar os livros literários que serão enviados para seus alunos. Como há ótimas e variadas opções, decidi escrever a vocês para indicar uma obra da qual sou grande admiradora. É uma […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



16 Setembro 2018

 

“Gente que quer um romance como o de Romeu e Julieta sem saber que foi um romance de três dias e seis mortos. É preciso ler!”

A placa é divertida, sem dúvida, e certamente desperta a simpatia de quem conhece a obra. Mas ela também suscita muitos questionamentos:

Que livros leríamos se não soubéssemos quais são considerados leitura obrigatória nos dias de hoje?
Mais vale um repertório amplo e variado ou um repertório enxuto e composto por obras que têm sido eleitas como canônicas?
A literatura pode invadir nossas vidas de tal forma que citamos suas referências mesmo sem conhecimento profundo, ou é preciso ser preciso ao recorrer ao mundo literário?
Os critérios de quem define o cânone literário são universais?
De que modo o imaginário popular acerca de enredos e personagens literários de livros que não foram lidos se relaciona à literatura? Há impactos, efeitos, influências?
A popularização de ideias relacionadas a livros não lidos aproxima ou afasta as pessoas da leitura?
Quem define o que deveria ser lido por todos? E quanto às grandes obras às quais esse grupo eventualmente não tenha tido acesso?
Será que existe um repertório básico obrigatório a todo bom leitor?
Como interpretar o fato de uma obra como Romeu e Julieta habitar o imaginário popular como modelo de amor romântico?
Perguntas…

 

Tradução: Romeu e Julieta não é uma história de amor. Trata-se de um relacionamento de 3 dias entre uma pessoa de 13 anos e outra de 17 que resultou em 6 mortes. Atenciosamente, todos que leram o livro.

  “Gente que quer um romance como o de Romeu e Julieta sem saber que foi um romance de três dias e seis mortos. É preciso ler!” A placa é divertida, sem dúvida, e certamente desperta a simpatia de quem conhece a obra. Mas ela também suscita muitos questionamentos: Que livros leríamos se não soubéssemos […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



13 Maio 2018

A resposta é simples: tanto faz. Fim de semana e final de semana são expressões consideradas sinônimas em português e o falante pode escolher usar aquela que preferir. No entanto, em alguns sites é possível encontrar a informação de que somente a primeira está correta. Por quê?

1) Algumas pessoas consideram que “fim de semana” é uma expressão consagrada, principalmente porque no passado já foi escrita com hífen (o que não existe mais). Na verdade, hoje em dia o “final de semana” é tão usado pelos falantes quanto o “fim”, uma das razões para que tanta gente tenha dúvidas acerca de qual seria a expressão “correta”. Não há motivos para eleger apenas uma, sendo que ambas passam a mesma ideia.

2) Há quem considere que a palavra “fim” é um substantivo (e que se oporia a “início da semana”) e que “final” é somente um adjetivo (e que se oporia a “inicial da semana”). Trata-se de um preciosismo que não se sustenta, já que o uso de “final” em função de substantivo também é comum (“o final do filme me surpreendeu”; “o final do livro é excelente”; “no final, restou a amizade”). Há também o uso como substantivo feminino (“Estou ansioso pela final do campeonato”). Muitas palavras em português podem tanto ter função de adjetivo como de substantivo (“O professor é jovem”/”O jovem está dando aulas”; “O sábio menino já nos ensinava grandes lições”/”O sábio era um homem vivido”), o que invalida o argumento de que “final” não pode ter mais de uma função. Qualquer dicionário de português pode reforçar essa informação.

3) Há ainda quem defenda que “fim de semana” inclui o período entre a noite da sexta-feira e a noite de domingo e que o “final de semana” vai até a noite de sábado. O argumento é que, para eles, “final” tem sentido de “última parte” (como em “gosto de passear no final da tarde”) e não de algo que já se acabou. Considero esse um malabarismo “lógico” distante da realidade, mas há quem goste da ideia.

 

Podemos dizer que as afirmações categóricas sobre a língua portuguesa costumam tender ao erro, já que a língua é bem mais flexível do que alguns gostam de supor. Em gramáticas e dicionários, é possível verificar essa flexibilidade. Já em manuais de estilo, sobretudo aqueles de grandes jornais, somente uma forma é eleita, pois os veículos de comunicação buscam padronizar e homogeneizar os textos que publicam. Não se trata de correção, mas de uniformização.

Sabendo que o “final de semana” pode carregar algum estigma em contextos avaliativos, eu sugeriria a preferência pelo “fim”.

Nos outros contextos, a escolha é livre. Vale também para fim/final de ano; fim/final de um show; fim/sinal do mês e assim por diante.

A resposta é simples: tanto faz. Fim de semana e final de semana são expressões consideradas sinônimas em português e o falante pode escolher usar aquela que preferir. No entanto, em alguns sites é possível encontrar a informação de que somente a primeira está correta. Por quê? 1) Algumas pessoas consideram que “fim de semana” […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



12 Maio 2018

Participe do sorteio clicando aqui.

Participe do sorteio clicando aqui.

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.