26 Março 2018

Fizemos uma superparceria com a Lexikon Editora e nossos seguidores poderão participar de um sorteio para ganhar o livro “De onde vêm as palavras”.

Para concorrer, clique aqui: SORTEIO “De onde vêm as palavras”

Resultado: 15/04/18.

 

PS: No site da editora, o livro está com 50% de desconto durante o mês de abril. Aproveite: https://bit.ly/2FOiZHE

Fizemos uma superparceria com a Lexikon Editora e nossos seguidores poderão participar de um sorteio para ganhar o livro “De onde vêm as palavras”. Para concorrer, clique aqui: SORTEIO “De onde vêm as palavras” Resultado: 15/04/18.   PS: No site da editora, o livro está com 50% de desconto durante o mês de abril. Aproveite: https://bit.ly/2FOiZHE

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



26 Março 2018

Clique para participar: https://goo.gl/forms/Eq5PgTs8yUYTvMFW2

Resultado: 30/03/2018

Clique para participar: https://goo.gl/forms/Eq5PgTs8yUYTvMFW2 Resultado: 30/03/2018

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



6 Março 2018

Leitura de imagem sempre requer atenção aos detalhes e persistência!

Analise com calma antes de ler a resposta.

desafio apito treinador menino tênis sapato matemática

 

A resposta do desafio é…
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
ONZE!
Errou? Vamos às explicações!
LINHA 1: pode-se deduzir que cada par de sapatos vale 10 (ou que cada pé sozinho vale 5).
LINHA 2: se o par de sapatos vale 10, cada homem COM APITO NO PESCOÇO vale 5.
LINHA 3: Se o homem com apito vale 5, sobram 8 para os dois PARES de apito (repare que na linha 3 o apito vem em pares, enquanto na linha 4 ele aparece sozinho). Portanto, cada apito vale 2.
LINHA 4: Já sabemos que um sapato vale 5. Se o homem com apito vale 5 e cada apito vale 2, o HOMEM SEM APITO no pescoço vale 3. A última pegadinha da linha 4 é que aparece uma multiplicação no final (você reparou ou apenas saiu somando no modo automático?). Aqui a gente extrapola a análise da imagem, porque é necessário um conhecimento prévio de matemática: nas equações, devemos resolver multiplicações e divisões antes de somas e subtrações, mesmo não havendo parênteses! Por isso, a conta final seria:
5 + 3 x 2 = x
5 + 6 = x
11 = x
São muitos detalhes, né?
E você, notou essas sutilezas na imagem (homem com apito ou sem apito, por exemplo)?
Tanto com textos verbais como com textos não verbais, é normal a gente se apressar e pular para as conclusões, mas não deveríamos. Tirar conclusões durante uma leitura requer necessariamente a RELEITURA, reanálise, movimentos de ir e vir, paciência, reflexão, reconsideração…
| Interessado em cursos de português? Clique aqui para ser avisado sobre novas turmas! |

Leitura de imagem sempre requer atenção aos detalhes e persistência! Analise com calma antes de ler a resposta. desafio apito treinador menino tênis sapato matemática   A resposta do desafio é… . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



4 Janeiro 2018
A perca
[Martha Medeiros]


Da série “só acontece comigo”: estava parada num sinal da Avenida Ipiranga quando um carro encostou ao lado do meu. A motorista abriu a janela e pediu para eu abrir a minha. Era uma moça simpática que me perguntou: “Martha, o certo é dizer perda ou perca?”.“Hãn?”

“É perda de tempo ou perca de tempo? Como se diz?”

A pergunta era tão inusitada para a hora e o local, tão surpreendente, vinda de alguém que eu não conhecia, que me deu um branco: por um milésimo de segundo eu não soube o que responder. Perca de tempo, isso existe? Então o sinal abriu, os carros da frente começaram a engatar a primeira, eu olhei para ela e disse: “É perda de tempo”.

Ela sorriu em agradecimento e foi em frente. Meu carro ainda ficou um tempo parado. Eu parada no tempo. Perca de tempo.

Dei uma risada e segui meu rumo também.

Se alguém te diz “não perca tempo”, e todos te dizem isso o tempo todo, como não confundir? Tantos confundem. São coagidos a tal.

E, cá entre nós, a “perca” parece mais amena do que a perda.

A perca de um amor é quase tão corriqueira como a perca do capítulo da novela. A perca é feira livre. A perca é festiva. A perca é música popular.

Já a perda é sinfonia de Beethoven.

A perca acontece no verão. A perca de uma cadeirinha de praia, a perca de um palito premiado de picolé.

As perdas acontecem no inverno.

A perca é simplória, a perca é distraída, a perca é provisória, logo, logo reencontrarão o que está faltando.

A perda é para sempre.

As percas reinventam o vocabulário e seu sentido, não são graves, as percas são imperfeições perdoáveis, as percas são inocentes.

As perdas são catastróficas, nada têm de folclóricas.

A perca é um erro gramatical, e apenas esse erro ela contém. De resto, não faz mal a ninguém.

A perda é um acerto gramatical, mas só esse acerto ela contém. De resto, é brutal.

Se eu pudesse voltar no tempo, reconstituiria a cena de outra forma:

“Martha, é perda de tempo ou perca de tempo? Como é que se diz?”

“O correto é dizer perda, mas é muito solene. Perca dói menos por ser mais trivial”.

A perca [Martha Medeiros] Da série “só acontece comigo”: estava parada num sinal da Avenida Ipiranga quando um carro encostou ao lado do meu. A motorista abriu a janela e pediu para eu abrir a minha. Era uma moça simpática que me perguntou: “Martha, o certo é dizer perda ou perca?”.“Hãn?” “É perda de tempo […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.