26 Junho 2018

Conhecem aquela história sobre a gente não saber se livrar da água suja da banheira do bebê sem jogar o bebê junto?

Quando tentamos escapar do gerúndio com medo de estarmos “cometendo” gerundismo, estamos fazendo exatamente isso: jogando fora o bebê.

O gerundismo foi vítima das fake news quando a gente nem sabia que isso existia. Espalharam por aí algumas grandes mentiras sobre ele, como a de que gerundismo significa excesso de gerúndio. Há vários textos na internet em que o autor comenta que gostaria de estar estudando mais, vivendo mais, ganhando mais, dormindo mais, e de repente interrompe as ideias para confessar a culpa: “quanto gerundismo!”.

Talvez esse medo de ser contaminado pela epidemia do gerundismo não existisse se tivessem explicado direitinho que gerundismo é outra coisa e que o gerúndio – pasmem – é benigno.

Vejam este diálogo:

— Posso te ligar hoje às 15h?

— Nesse horário vou estar fazendo prova. Pode ser às 16h?

 

“Vou estar fazendo” é o jeito informal de dizer “estarei fazendo”. Ambos são igualmente corretos, estruturas perfeitas (e canônicas) da língua portuguesa. Nesse caso, a pessoa deixou claro que no horário mencionado a ação de fazer prova estará em curso, portanto o uso do gerúndio está impecável!

O gerundismo acontece quando o atendente diz que “vai estar procurando” sua ficha, em vez de simplesmente dizer que vai procurar. É essa estrutura (verbo ir conjugado + verbo estar no infinitivo + verbo no gerúndio) que caracteriza o que vem sendo chamado de gerundismo, mas só em alguns contextos. Como observou o professor Sirio Possenti, o uso do gerúndio nesse caso cria a impressão de que aquela ação, que deveria ser pontual, vai se estender por algum tempo. Por isso é tão pouco indicado o uso do gerundismo no telemarketing: porque se cria a sensação de que o falante está fazendo corpo mole e arrastando a resolução do problema com uma preguiça enorme. Um “vou estar resolvendo” em vez de “vou resolver” parece indicar que a pessoa vai estar procrastinando e vai estar rastejando e vai estar empurrando a tarefa lá pra frente.

Claro que indicar uma ação duradoura no futuro pode ser uma das intenções do falante (“Vou perder o show amanhã porque ESTAREI DANDO AULA no mesmo horário”). Essa estrutura, portanto, é gramaticalmente correta, mas pode gerar um EFEITO DE SENTIDO indesejado dependendo do contexto em que é empregada.

Um cliente quer ser atendido com agilidade, e não “estar sendo atendido”. Quer que você envie logo os produtos, e não que “vá estar enviando”. Espera que você procure logo o registro das chamadas anteriores, e não que “vá estar procurando”. Ao ouvir que você “vai estar solucionando”, o cliente já deduz que a solução não será instantânea. Mas não há problemas dizermos frases como “Prefiro fazer a reunião esta semana porque VOU ESTAR VIAJANDO no próximo mês” (ou “estarei viajando”). Se nos parece possível dizer tanto “VOU FAZER um curso” como “FAREI um curso”, por que implicar com “vou estar fazendo um curso”? É claro que “farei” soa mais incisivo e mais formal que “vou fazer”, mas, repito, gramaticalmente, as duas construções são possíveis. O português, assim como outras línguas, tem duas formas de indicar o futuro. Vou comparar com o francês:

Forma analítica: Eu vou fazer | Je vais faire

Forma sintética: Eu farei | Je ferai

Para o professor Sirio Possenti, dizer que “vai estar fazendo”, mesmo que denote certa falta de compromisso, também expressa uma intenção de ser gentil e não grosseiro. Não parece mais delicado rejeitar um convite afirmando que “não vai poder estar aceitando”?

Ou seja: não é verdade que o gerundismo é errado, como não é verdade que ele é desnecessário. Se ele confere novas nuances de sentido ao que está sendo dito, ele tem uma função real.

Por fim, também não é verdade que gerundismo é excesso de gerúndio. Portanto, pode continuar sonhando, respirando, reclamando, estudando, enriquecendo, viajando, fazendo planos e vivendo tranquilamente com suas ações duradouras, que, linguisticamente, não há nada de errado com isso. Aliás, se houvesse, você deixaria de gerundiar? Eu, não.

 

Sugestão de leitura mais completa sobre o assunto: http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao04/04_006.php

Conhecem aquela história sobre a gente não saber se livrar da água suja da banheira do bebê sem jogar o bebê junto? Quando tentamos escapar do gerúndio com medo de estarmos “cometendo” gerundismo, estamos fazendo exatamente isso: jogando fora o bebê. O gerundismo foi vítima das fake news quando a gente nem sabia que isso […]

Leia mais

escrito por

Carol é mestre em Educação, especialista em Tradução e graduada em Letras (inglês e português). É coautora da coleção Circles pela editora FTD. Também trabalha com edição de livros didáticos de língua portuguesa.



19 Maio 2018

Cientistas políticos, psicanalistas, partidos aliados ou de oposição e outros grupos certamente têm suas maneiras de analisar o slogan escolhido pela equipe do presidente Michel Temer para comemorar os dois anos de governo. Vamos tentar, aqui, um viés linguístico, partindo do pressuposto de que o tropeço não foi intencional.

O primeiro aspecto digno de nota é o uso do verbo VOLTAR, que pode ter uma série de sentidos: retroceder (“Voltamos à estaca zero”), recomeçar (“Voltei a fumar”), recuperar uma posição de destaque (“O campeão voltou!”), entre outros.

O segundo é a frase “20 anos em 2”. Supondo que a ideia pretendida fosse de que “O Brasil está de volta” porque “avançou 20 anos em 2”, podemos considerar que a segunda frase seria uma explicação da primeira. Para alguns gramáticos, o ideal, nesse caso, não seria empregar uma vírgula, considerada um erro, mas dois pontos (:). Observe:

“O Brasil voltou: 20 anos em 2”

Talvez não evitasse as piadas dos opositores que acham que a frase faz mais sentido sem pontuação, mas amenizaria o efeito de estranhamento.

Há também os gramáticos para os quais a vírgula é aceitável, pois ajudaria a intercalar dois trechos justapostos. Como todos notaram, no entanto, a pontuação foi insuficiente para criar o efeito esperado. Por quê?

Primeiramente porque, sendo sucedido por uma expressão de medida temporal, o verbo “voltar” imediatamente cria a ideia de retorno a um tempo anterior. Portanto, mesmo havendo numerosas possibilidades de sentido para “voltar”, a sugestão de retorno a um período precedente que é criada pela continuação do slogan não deixa ao leitor muita escolha senão entender o verbo como indício de um retrocesso. Talvez uma alteração do pretérito para o presente (“O Brasil está de volta!”) ajudasse a amenizar o efeito.

Há, também, um fator extralinguístico a ser considerado. Aparentemente a intenção era adaptar o bordão de Juscelino Kubitschek (“Brasil, 50 anos em cinco”). O novo slogan, porém, toca em uma ideia que permeia o imaginário popular de parte dos brasileiros, aqueles que se opõem ao governo: a de que as medidas tomadas atualmente anulam avanços conquistados nas últimas décadas.

Por fim, vi que alguns leitores, ao se depararem com a frase “O Brasil voltou”, perguntaram a si mesmos: “voltou de onde?”.

Considero, portanto, que o slogan tem três grandes problemas: 1) escolha inadequada de vocábulo; 2) pontuação frágil; 3) desatenção (ou desdém) em relação a ideias que estão em embate na nossa sociedade.

Parece que o governo tem agora um novo mote: “Maio de 2016 – Maio de 2018 – O Brasil Voltou”. Melhorou para vocês?

Cientistas políticos, psicanalistas, partidos aliados ou de oposição e outros grupos certamente têm suas maneiras de analisar o slogan escolhido pela equipe do presidente Michel Temer para comemorar os dois anos de governo. Vamos tentar, aqui, um viés linguístico, partindo do pressuposto de que o tropeço não foi intencional. O primeiro aspecto digno de nota […]

Leia mais

escrito por

Carol é mestre em Educação, especialista em Tradução e graduada em Letras (inglês e português). É coautora da coleção Circles pela editora FTD. Também trabalha com edição de livros didáticos de língua portuguesa.



11 Agosto 2017

14956431_1208760435836345_8850176119957549229_n

 

Acabo de ver por acaso o trailer do filme “Cegonhas – A história que não te contaram” e fiquei pensando sobre o incômodo que esta cena causaria em algumas pessoas. Afinal de contas, “surpresa inesperada” não é redundância?

Se uma surpresa é, por definição, algo que causa admiração, espanto e quebra de expectativa, somos levados a pensar que o fato de não ser esperada está implícito. Portanto, “surpresa inesperada” seria, sim, um pleonasmo.

Os pleonasmos (ou redundâncias) consistem na repetição de ideias. “Subir pra cima” e “descer pra baixo” são alguns dos exemplos mais comuns, mas também podemos citar “certeza absoluta”, “maluco da cabeça”, “amanhecer o dia”, “olhar com os olhos”, “conclusão final” etc. No entanto, embora muita gente considere essas ocorrências vícios de linguagem abomináveis, elas podem ser usadas de modo deliberado pra indicar ênfase. Trata-se de uma escolha estilística! Quando se diz “surpresa inesperada”, a intenção é que o ouvinte ou leitor saiba o quanto aquilo causou espanto!

Aliás, também é possível pensarmos que existem, sim, surpresas esperadas. Por exemplo: alguém pode ter a expectativa de receber uma festa surpresa, ou de receber um presente surpresa, ou um pedido de casamento etc. Como sabemos que fazer surpresa é algo comum em nossa sociedade, é comum que muitas pessoas esperem por elas ou as desejem. Por isso, frisar que se tratou de uma surpresa que foi de fato inesperada não é nenhum absurdo.

Além disso, o fato de alguma expressão se encaixar da definição de “redundância” não significa que seja preciso evita-la sempre. Pode-se maneja-la de maneira a construir algum sentido desejado. Outro exemplo: se eu penso a respeito de algum problema e vou chegando a diferentes conclusões ao longo do processo, é bastante coerente falar em “conclusão final”, concordam?

Nem tudo é regra no campo da língua!  🙂

#portugueselegal

  Acabo de ver por acaso o trailer do filme “Cegonhas – A história que não te contaram” e fiquei pensando sobre o incômodo que esta cena causaria em algumas pessoas. Afinal de contas, “surpresa inesperada” não é redundância? Se uma surpresa é, por definição, algo que causa admiração, espanto e quebra de expectativa, somos […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



9 Maio 2017

Como usuários da língua portuguesa, é comum que nós, brasileiros, ao entrar em contato com aspectos da fala e da escrita que nos chamam atenção, passemos a formular hipóteses acerca de como a língua funciona. É daí que surgem ideias como a alegação de que a língua portuguesa é uma das mais difíceis do mundo, uma premissa amplamente aceita como verdadeira e continuamente refutada por linguistas.

Foi entrando em contato com percepções como essa que o professor Gabriel de Ávila Othero (UFRGS) decidiu escrever o livro Mitos de Linguagem (Editora Parábola), com o objetivo de desmentir algumas das formulações equivocadas mais comuns que leigos e estudantes dos primeiros anos do curso de Letras criam a respeito da língua. Em dez capítulos que respondem diretamente a ideias muito populares (e falsas) acerca do assunto, o autor apresenta argumentos que podem conduzir os leitores em direção à construção de ideias mais bem fundamentadas sobre como funciona a língua portuguesa, especificamente, e as línguas de modo geral.

Uma explicação primordial para compreendermos as análises empreendidas no livro é a de que o termo “gramática” também pode se aplicar ao conhecimento gramatical inconsciente que todo falante tem a respeito de sua língua materna, e não apenas às recomendações que costumamos encontrar nos manuais de língua portuguesa. Essa acepção é crucial para compreendermos a discrepância entre a língua que é falada de fato (e internalizada pelos falantes) e a língua que nos é apresentada como ideal.

Segundo o autor, a ideia de que existe um português correto, que todos estudam na escola por mais de dez anos e raramente dominam, reforça o sentimento de que a língua portuguesa é algo realmente inatingível. É por esse motivo que, em geral, os estudiosos fazem objeções às análises gramaticais equivocadas presentes nas gramáticas normativas, já que apresentam um ideal linguístico irreal e inalcançável.

Mas por que as gramáticas trazem regras e prescrições que podemos considerar estapafúrdias? Um exemplo citado é o pronome de 2ª pessoa do plural em português, “vós”, cujo uso foi abandonado há tempos tanto por falantes cultos como por escritores contemporâneos. Entre vários outros exemplos, esse caso evidencia que o que está prescrito nas gramáticas costuma ser “a norma cultuada, mais idealizada do que realista, mais lusitana do que brasileira, mais antiga do que contemporânea e mais prestigiada do que deveria” (p. 56). Um problema decorrente dessa tendência é que, ao tomarmos a norma idealizada da gramática normativa como a única admissível, abrimos espaço para taxar pejorativamente aqueles que se desviam dela.

Em resposta à ideia de que o português figura entre as línguas mais difíceis do mundo, o autor esclarece que não se pode afirmar a existência de um grupo de línguas fáceis e difíceis em si. A explicação é que algumas línguas podem ser mais “simples” que outras em alguns aspectos específicos e, ao mesmo tempo, ser mais “complexas” em outros. E de onde vem a impressão de que há línguas mais fáceis, como o inglês, por exemplo? Gabriel de Ávila Othero explica que costumamos julgar o grau de dificuldade de alguma língua também por comparação à nossa própria língua (o que é diferente de considerar a língua simplesmente fácil ou difícil por si). É o mesmo princípio de quando discutimos os sotaques, já que em ambos os casos estamos lidando com uma questão de ponto de vista, acima de tudo.

Para o professor, talvez se possa afirmar que a única língua mais simples de fato seria uma língua não natural, uma língua artificial (como o esperanto, que foi criado com a intenção de que se tornasse uma segunda língua universal, falada e compreendida por todos, razão por que foi desenvolvido com regras gramaticais que buscam simplicidade e lógica).

Deixando um pouco de lado a discussão sobre a língua portuguesa, que é bastante aprofundada em vários dos capítulos do livro, chamo atenção para o mito “A língua dos índios é muito rudimentar”, tratado no capítulo 7. A exposição tem início com uma correção: não existe uma “língua dos índios”, mas diversas línguas indígenas faladas por diferentes comunidades. Hoje, no Brasil, são faladas cerca de 180 línguas indígenas (estima-se que em 1500, à época da chegada dos portugueses ao Brasil, o número era sete vezes maior: 1270 línguas). Como afirma Gabriel de Ávila Othero, todas as línguas indígenas brasileiras podem ser consideradas ameaçadas atualmente, pois contam com um número muito baixo de falantes (76% delas têm, em média, menos de 200 falantes, e nenhuma das 180 línguas documentadas tem mais de 30 mil falantes).

Este é um pequeno recorte do rico livro Mitos de linguagem, cuja leitura recomendo fortemente, e no qual também são discutidas ideias como “as mulheres falam demais”, “a gramática do português não tem lógica”, “todo mundo tem sotaque, menos eu”, “depois de adulto, é praticamente impossível aprender uma nova língua” e “os animais têm uma forma de comunicação tão complexa quanto a nossa”.

Como a mera observação da língua pode nos levar a ideias que já vem sendo refutadas há décadas, a leitura de uma obra introdutória como esta representa um caminho viável para uma construção de conhecimentos mais responsável, baseada em evidências e estudos científicos que vêm sendo conduzidos por especialistas há bastante tempo.

 

O livro pode ser adquirido no site da Parábola Editorial ou em livrarias.

Mitos_de_linguagem_parabola_gabriel_avila_othero

Como usuários da língua portuguesa, é comum que nós, brasileiros, ao entrar em contato com aspectos da fala e da escrita que nos chamam atenção, passemos a formular hipóteses acerca de como a língua funciona. É daí que surgem ideias como a alegação de que a língua portuguesa é uma das mais difíceis do mundo, […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.