30 Janeiro 2019

Antes de falarmos do “fui ao mossar”, façamos um exercício.

Leia as palavras a seguir:
sékiço
cécso
séquisso
sécço
cékiço

Imagino que qualquer pessoa alfabetizada, mesmo com um pouco de dificuldade ou estranhamento, tenha reconhecido “sexo” em todas as ocorrências acima.

Isso acontece porque existem diversas POSSIBILIDADES sobre como escrever uma palavra, embora somente uma tenha sido ELEITA como correta. É isso que chamamos de CONVENÇÃO.
A convenção é um combinado, um acordo, um trato.

Se uma noiva decidiu que as madrinhas devem usar vestidos rosa (sem plural!) na cerimônia, isso é uma convenção. Não significa que um vestido verde seja inerentemente errado. Significa apenas que, naquele universo, por não ter sido eleito como a opção correta, ele não será visto com bons olhos.
Acontece o mesmo com a ortografia!

Não dá pra dizer que a ortografia seja totalmente aleatória, mas os critérios variam (há grafias que se justificam com base em etimologia, e outras que se justificam com base em critérios fonéticos, por exemplo). De todo modo, como não há um único critério, o que acaba valendo no final é conhecer a convenção, mesmo que a gente não saiba os porquês.
Por que escrevemos “casa” e não “kaza”?
Por que “excesso” e não “eceço”?
Por que “exigir” e não “ezijir”?
Por que “ficção” e não “fiquissão”?

(Aviso aos navegantes: se os olhos “doem” ao ler a palavra com a grafia diferentona, o único motivo é a falta de costume.)

O que eu quero dizer com tudo isso?

Sei que um dos meus papéis em uma sala de aula, mesmo que virtual, é ensinar as convenções.
Mas não podemos deixar de admitir que a escrita “fui ao mossar” é resultado de UMA SÉRIE DE HIPÓTESES CORRETAS.
O verbo IR de fato exige a preposição A: fui ao cartório, fui à biblioteca, fui ao restaurante.
“Mossar” e “moçar” têm sons idênticos.
Quem está pouco familiarizado com a escrita pode concluir que “fui ao jantar” e “fui ao mossar” são construções análogas.
Ou seja, a escrita inesperada tem seu charme e sua graça, mas não demonstra burrice nem ignorância, como se costuma imaginar. Pelo contrário: demonstra que o falante desconhece essa convenção específica, mas conhece várias regras/regularidades da língua. E demonstra também que a língua é cheia de possibilidades. A gente é que se acostumou a tratá-la como algo homogêneo, talvez pra simplificar.
Será?

Antes de falarmos do “fui ao mossar”, façamos um exercício. Leia as palavras a seguir: sékiço cécso séquisso sécço cékiço Imagino que qualquer pessoa alfabetizada, mesmo com um pouco de dificuldade ou estranhamento, tenha reconhecido “sexo” em todas as ocorrências acima. Isso acontece porque existem diversas POSSIBILIDADES sobre como escrever uma palavra, embora somente uma […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



29 Janeiro 2019
Muita gente diz que esse sinal cria “uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto”, mas isso parece subjetivo, não? Vamos aos fatos:
1. Para separar itens enumerados em listas.
Exemplo:
“Alguns dos papéis da escola são:
• formar jovens críticos;
• socializar conhecimentos embasados;
• valorizar a cultura;
• educar para a convivência harmoniosa;
• ampliar o repertório dos jovens;
• formar cidadãos éticos.”
2. Para dividir frases longas que já serão subdivididas por vírgulas.
Exemplo:
“O uso da tecnologia pode gerar duas consequências: a primeira, de caráter econômico, é uma redução de custos; a segunda, de natureza social, é o desemprego.”
3. Quando houver omissão de um verbo e mudança de sujeito.
Exemplos:
“Prefiro brigadeiro; minha mãe, pudim; meu pai, sorvete.”
“A cidade está vazia; as ruas, tristes.”
4. Quando quisermos prolongar as pausas das conjunções adversativas.
Exemplo:
“Confio em você; contudo, gostaria que me enviasse os comprovantes.”
5. Para separar orações quando, no meio da frase, um verbo anteceder uma conjunção.
Exemplo:
“Planejei comprar todos os produtos na farmácia; encontrei, porém, somente alguns.”

Muita gente diz que esse sinal cria “uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto”, mas isso parece subjetivo, não? Vamos aos fatos: 1. Para separar itens enumerados em listas. Exemplo: “Alguns dos papéis da escola são: • formar jovens críticos; • socializar conhecimentos embasados; • valorizar a cultura; • educar para […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



26 Julho 2018

ALITERAÇÃO

É um recurso linguístico, ou figura de linguagem, em que se repetem sons CONSONANTAIS (consoantes) a fim de se criarem ritmo e impacto sonoro. Ou seja, é uma ferramenta de estilo.

É muito comum nos trava-línguas, como “O rato roeu a roupa do rei de Roma.”

 

Exemplos na literatura:

“De tudo que é nego torto

Do mangue e do cais do porto

Ela já foi namorada

O seu corpo é dos errantes

Dos cegos, dos retirantes

É de quem não tem mais nada”

(Chico Buarque)

 

“ela espanta e encanta
na mesma rima
e na mesma cama”

(Léo Ottesen)

 

ASSONÂNCIA

Similar à aliteração, mas se repetem sons VOCÁLICOS (vogais). Difere-se da simples rima uma vez que não necessariamente aparece no final das palavras e frases ou versos.

 

Exemplos na literatura:

“Lava roupa todo dia, que agonia

Na quebrada da soleira, que chovia

Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada

Uma mulher não deve vacilar”

(Luiz Melodia)

 

ela espanta e encanta
na mesma rima
e na mesma cama

(Léo Ottesen)

 

MALSONÂNCIA

A aliteração e a assonância, enquanto figuras de estilo, servem a propósitos artísticos, são ferramentas que os autores utilizam a fim de causar algum efeito, como os sonoros de ritmo (principalmente, na música, mas também na poesia) e os sonoros de imagem. Por exemplo: o T (com sons de T e TCH, “tanto”, “tinha”) e o K (“quanto”, “casa”, “cai”) são sons secos, lembram algo batendo, por isso são utilizados em textos que tenham a ver com alguma forma de violência, ainda que branda.

Ainda que de forma inconsciente, os autores utilizam essas ferramentas com um sentido específico, ou seja, não são por acaso.

Já quando essa utilização é acidental, sem propósito, e causa algum desconforto no leitor ou ouvinte, ela é malsonante, isto é, soa mal.

 

Exemplo do próprio texto:

“(…) são sons secos…”

A repetição do S faz com que a voz na nossa mente sibile, imite uma cobra, mas isso não tem função poética, já que o texto é explicativo. Nesse caso, a aliteração não é uma figura, mas um vício de linguagem chamado de malsonância.

 

CACOFONIA

Um tipo de malsonância em que se formam outras palavras a partir dos sons já existentes.

 

Exemplos clássicos:

“Eu amo ela.” (moela)

“Eu vi ela.” (viela)

“Música gaúcha.” (caga)

 

BÔNUS: Durante uma aula de conversação em francês, eu disse que, do alto do apartamento, se via “une mer de personnes” (um mar de gente). Minha professora disse que tava ótimo, mas eu devia tirar a merda (mer de).

 

ALITERAÇÃO É um recurso linguístico, ou figura de linguagem, em que se repetem sons CONSONANTAIS (consoantes) a fim de se criarem ritmo e impacto sonoro. Ou seja, é uma ferramenta de estilo. É muito comum nos trava-línguas, como “O rato roeu a roupa do rei de Roma.”   Exemplos na literatura: “De tudo que é […]

Leia mais

escrito por

Léo Ottesen é escritor, poeta e professor de escrita criativa.



4 Julho 2018
Usamos “nenhum” com sentido de nada ou ninguém, enquanto “nem um” tem o sentido de “nem sequer um”, “nem um único” ou “nem ao menos um”. O mesmo com os femininos.
Veja:
“Nenhum aluno veio à aula.”
Ninguém veio à aula.
“Nem um aluno veio à aula.”
O mínimo que se esperava era que um aluno viesse, mas nem mesmo um aluno veio.
_____
“Não tenho dinheiro nenhum.”
Não tenho nada de dinheiro.”
“Não tenho nem uma moeda.”
Eu poderia, pelo menos, ter uma moedinha, mas não tenho nem isso.
“Não tenho nenhuma moeda.”
Só tenho cédulas, nada de moedas.

Usamos “nenhum” com sentido de nada ou ninguém, enquanto “nem um” tem o sentido de “nem sequer um”, “nem um único” ou “nem ao menos um”. O mesmo com os femininos. Veja: “Nenhum aluno veio à aula.” Ninguém veio à aula. “Nem um aluno veio à aula.” O mínimo que se esperava era que um […]

Leia mais

escrito por

Léo Ottesen é escritor, poeta e professor de escrita criativa.