9 Janeiro 2019

A metáfora é uma figura de linguagem que consiste em comparar duas coisas que mantenham relação de semelhança entre elas, mas de maneira implícita. Assim, a metáfora se difere de outra figura, chamada simplesmente de comparação, porque esta é explícita, apresentando termos comparativos

Exemplos:

Comparação: “Seus olhos são como dois oceanos.” ou “Seus olhos parecem dois oceanos.”

Metáfora: “Seus olhos são dois oceanos.

Dessa forma, entendemos as metáforas como formas poéticas de se falar sobre uma coisa, invocando outra. Então, sobre a frase justificada pela ministra como sendo uma metáfora, será que é mesmo?

NÃO!

O que a senhora faz não é comparar, mas sim representar uma ideia através de uma expressão. Aqui, o que podemos ter é a figura da METONÍMIA ou até ALEGORIA, já que a ministra utiliza as cores para simbolizar os estereótipos e papéis sociais de gênero (além de para ser transfóbica).

“Menino veste azul e menina veste rosa” compreende uma vasta gama de coisas antiquadas não ditas, como: menino brinca de carrinho e menina, de boneca; homem trabalha fora, mulher cuida da casa; homem joga futebol com os amigos, mulher cuida dos filhos; homem gosta de mulher, mulher gosta de homem.

Além disso, segundo a análise do discurso, usando um termo com sentido positivo e poético, como “metáfora”, ela procurou suavizar o impacto real que a sua frase teria, já que o público simpatiza com a beleza das metáforas.

A metáfora é uma figura de linguagem que consiste em comparar duas coisas que mantenham relação de semelhança entre elas, mas de maneira implícita. Assim, a metáfora se difere de outra figura, chamada simplesmente de comparação, porque esta é explícita, apresentando termos comparativos Exemplos: Comparação: “Seus olhos são como dois oceanos.” ou “Seus olhos parecem […]

Leia mais

escrito por

Léo Ottesen é escritor, poeta e professor de escrita criativa.



12 Outubro 2018

Olá, professores e diretores de escolas que aderiram ao PNLD Literário 2018!

Neste mês de outubro de 2018, vocês têm a importante tarefa de selecionar os livros literários que serão enviados para seus alunos. Como há ótimas e variadas opções, decidi escrever a vocês para indicar uma obra da qual sou grande admiradora. É uma excelente notícia saber que tantos alunos terão a chance de ler livros tão preciosos quanto aqueles selecionados para o PNLD Literário 2018!

Minha indicação é uma obra chamada Mindinho maior de todos, com poemas de Juliana Valverde e ilustrações de Feres Khoury. O universo infantil está contemplado no livro por meio de poemas muito instigantes, sonoramente agradáveis, permeados por assuntos como mundos e seres imaginários, o medo, a casa, o amigo, o irmão mais novo, a mãe, fadas e assim por diante. Você pode conhecer estas maravilhas clicando aqui.

Além disso, as imagens do livro fazem dele uma verdadeira coletânea de arte ao alcance dos alunos. Juntos, os textos e as imagens convidam os leitores a reflexões sobre importantes elementos de nossas vidas e sobre emoções humanas. Tudo isso faz dessa obra muito significativa para as mais variadas faixas etárias, sobretudo para crianças entre 8 e 11 anos.

Nas primeiras leituras, você e seus alunos certamente viverão momentos muito agradáveis de fruição literária e estética. Para além da fruição, o livro também pode constituir uma importante ferramenta pedagógica, pois contribui para a formação de leitores, para o estudo do gênero poema e para a ampliação do repertório dos alunos. Há um material de apoio ao professor bem completo e você pode conhecê-lo previamente clicando aqui.

A escolha do PNLD Literário 2018 ocorrerá do dia 18/10 ao dia 31/10. Fique atento ao prazo!

Veja mais informações:

 

Professores e dirigentes participam juntos dessa importante decisão. Depois, os diretores registram as escolhas no site pddeinterativo.mec.gov.br.

Não deixe de participar! Acesse o Guia Digital do PNLD Literário clicando aqui.

Você pode assistir à leitura de um dos poemas feita pelo Pablo Martins em nosso canal:

 

Boas escolhas!

 

Olá, professores e diretores de escolas que aderiram ao PNLD Literário 2018! Neste mês de outubro de 2018, vocês têm a importante tarefa de selecionar os livros literários que serão enviados para seus alunos. Como há ótimas e variadas opções, decidi escrever a vocês para indicar uma obra da qual sou grande admiradora. É uma […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



6 Março 2018

Leitura de imagem sempre requer atenção aos detalhes e persistência!

Analise com calma antes de ler a resposta.

desafio apito treinador menino tênis sapato matemática

 

A resposta do desafio é…
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
ONZE!
Errou? Vamos às explicações!
LINHA 1: pode-se deduzir que cada par de sapatos vale 10 (ou que cada pé sozinho vale 5).
LINHA 2: se o par de sapatos vale 10, cada homem COM APITO NO PESCOÇO vale 5.
LINHA 3: Se o homem com apito vale 5, sobram 8 para os dois PARES de apito (repare que na linha 3 o apito vem em pares, enquanto na linha 4 ele aparece sozinho). Portanto, cada apito vale 2.
LINHA 4: Já sabemos que um sapato vale 5. Se o homem com apito vale 5 e cada apito vale 2, o HOMEM SEM APITO no pescoço vale 3. A última pegadinha da linha 4 é que aparece uma multiplicação no final (você reparou ou apenas saiu somando no modo automático?). Aqui a gente extrapola a análise da imagem, porque é necessário um conhecimento prévio de matemática: nas equações, devemos resolver multiplicações e divisões antes de somas e subtrações, mesmo não havendo parênteses! Por isso, a conta final seria:
5 + 3 x 2 = x
5 + 6 = x
11 = x
São muitos detalhes, né?
E você, notou essas sutilezas na imagem (homem com apito ou sem apito, por exemplo)?
Tanto com textos verbais como com textos não verbais, é normal a gente se apressar e pular para as conclusões, mas não deveríamos. Tirar conclusões durante uma leitura requer necessariamente a RELEITURA, reanálise, movimentos de ir e vir, paciência, reflexão, reconsideração…
| Interessado em cursos de português? Clique aqui para ser avisado sobre novas turmas! |

Leitura de imagem sempre requer atenção aos detalhes e persistência! Analise com calma antes de ler a resposta. desafio apito treinador menino tênis sapato matemática   A resposta do desafio é… . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



3 Dezembro 2017

Um coelho viu 6 elefantes enquanto se dirigia ao rio. Cada elefante viu 2 macacos indo para o rio. Cada macaco segurava 1 pássaro em suas mãos. Quantos animais foram para o rio?

a) 31
b) 25
c) 11
d) 7
e) 5
f) impossível responder

 

Vamos lá? Vou analisar frase por frase.

UM COELHO VIU 6 ELEFANTES ENQUANTO SE DIRIGIA AO RIO.
Sabemos que o coelho estava indo ao rio. Se os elefantes vistos estavam parados ou se também iam ao rio é uma incógnita.

CADA ELEFANTE VIU 2 MACACOS INDO PARA O RIO.
Essa é uma frase totalmente ambígua. Não é possível sabermos se cada elefante viu os mesmos 2 macacos ou se cada elefante viu 2 macacos diferentes. Como não sabemos se os elefantes foram todos juntos, existem várias outras possibilidades (por exemplo, se tiverem ido 2 grupos com 3 elefantes, e cada grupo tiver visto 2 macacos diferentes, é possível que houvesse 4 macacos).
Outra parte ambígua é o “indo para o rio”. Quem estava indo para o rio era o elefante ou os macacos? Não é possível saber. Para desfazer a ambiguidade, seria preciso dizer algo como “Cada elefante viu 2 macacos enquanto ia para o rio” ou “Cada elefante viu 2 macacos que estavam indo para o rio”. Há outras possibilidades se deslocarmos a expressão “indo para o rio”.
Algumas pessoas disseram “considerando que cada elefante viu os mesmos 2 macacos, são só 2 macacos”. Pergunto: Você está considerando isso com base em quê? O texto não dá nenhum indício de que essa informação procede, e nosso conhecimento de mundo também não contribui para nada. Qualquer conclusão sobre esse trecho é precipitada, pois NÃO HÁ ELEMENTOS QUE SUSTENTEM NENHUMA CONCLUSÃO.

Como a frase seguinte depende de sabermos quantos macacos havia, e ainda se os macacos estavam ou não indo para o rio, não há necessidade de completarmos essa análise, uma vez que estamos diante de uma impossibilidade de resposta.

A quem sentiu que esse desafio foi uma pegadinha, destaco que a resposta certa estava na imagem (F).

O que podemos tirar dessa reflexão?
Muitas vezes, ao lermos algum texto, tiramos conclusões precipitadas baseadas em coisas que não estavam ditas e/ou não poderiam ser inferidas.
Outra coisa: na internet, um ambiente em que a escrita muitas vezes acompanha a leitura, muitos têm pressa em comentar mesmo antes de ter refletido suficientemente sobre o que leram.
A leitura não é uma atividade simples, que se faz “de primeira”: ela requer repetição, reanálise, questionamento e até mesmo diálogo com outras pessoas para que possamos testar se nossas hipóteses fazem sentido.

Vou completar a discussão gravando alguns stories no Instagram, ok? Daqui a pouquinho eles ficam disponíveis.

Espero que tenham gostado de participar do desafio!
Até a próxima!

Um coelho viu 6 elefantes enquanto se dirigia ao rio. Cada elefante viu 2 macacos indo para o rio. Cada macaco segurava 1 pássaro em suas mãos. Quantos animais foram para o rio? a) 31 b) 25 c) 11 d) 7 e) 5 f) impossível responder   Vamos lá? Vou analisar frase por frase. UM […]

Leia mais

escrito por

Carol é mestre em Educação, especialista em Tradução e graduada em Letras (inglês e português). É coautora da coleção Circles pela editora FTD. Também trabalha com edição de livros didáticos de língua portuguesa.