21 Junho 2019
Carolina Pereira
Observe a imagem com atenção. Antes de comentar, farei algumas perguntas (preservando a licença poética e personificação da imagem).
 
• As pinturas retratam a realidade de modo fiel?
• Aparentemente, houve a intenção de reproduzir a realidade?
• Se outros seres fizessem o mesmo registro, o resultado poderia ser o mesmo?
• Sem discutir a ilustração com seres diferentes, o/a personagem seria capaz de perceber que seus registros não correspondem com exatidão à realidade?
 
Vocês provavelmente já sabem onde quero chegar. Quando falamos sobre interpretação de texto, muitas pessoas (leigas, em geral) acreditam que todas as “leituras” devem ser respeitadas. Podemos entender por que alguém leu como leu, de modo respeitoso, mas existem leituras possíveis e leituras erradas. O chifre do rinoceronte não faz parte da paisagem, mas somente confrontando a própria visão às de outros seres seria possível que o artista colocasse em xeque a própria interpretação.
 
O mesmo acontece quando lemos. Muitas vezes, nossa interpretação não é bem feita porque resulta de nossas crenças, visões, posicionamentos etc. Para mostrar que isso não é novidade, compartilho trechos de um texto de 1984, escrito por Luiz Antônio Marcuschi:
 
“[…] o contexto sociocultural, os conhecimentos de mundo, as experiências e as crenças individuais influenciam na organização das inferências durante a leitura. Como lembra Spiro (1980), apesar de pouco sabermos a respeito do problema da compreensão de textos, já emerge como fundamental um consenso, ou seja, que os conhecimentos individuais afetam decisivamente a compreensão, de modo que O SENTIDO NÃO RESIDE NO TEXTO. Assim, embora o texto permaneça como o ponto de partida para a sua compreensão, ele só se tornará uma unidade de sentido na interação com o leitor. […] Não creio que haja razões sérias para se duvidar de que os conhecimentos individuais pré-existentes, sejam quais forem, ativam durante a leitura determinados esquemas, frames, scripts, modelos ou cenários que determinam, nos indivíduos, compreensões qualitativamente diferentes para o mesmo texto.”
 
Será que somos bons leitores, principalmente na internet? Deixamos nossas convicções atrapalharem os processos de inferência? Buscamos reler os textos, discuti-los ou ter acesso ao modo como outras pessoas o compreenderam? Colocamos à prova as “primeiras impressões” que temos ao interpretar algo no texto ou no mundo? Termino com um trecho de uma entrevista publicada em 1982, na qual Paulo Freire diz: “eu acho que um dos princípios fundamentais para ler é aceitar que não se entendeu o que se leu.”.
 
Fonte das citações: BARZOTTO, Valdir Heitor. Estado de leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999. (Coleção Leituras no Brasil)

Carolina Pereira Observe a imagem com atenção. Antes de comentar, farei algumas perguntas (preservando a licença poética e personificação da imagem).   • As pinturas retratam a realidade de modo fiel? • Aparentemente, houve a intenção de reproduzir a realidade? • Se outros seres fizessem o mesmo registro, o resultado poderia ser o mesmo? • […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



19 Maio 2019
A abreviatura oficial de “atenciosamente” é “at.te”. O site da Academia Brasileira de Letras confirma a informação (www.academia.org.br/nossa-lingua/reducoes).
No entanto, no Brasil, temos uma ampla preferência por “Att.”.
Fazemos algumas considerações:
A. Os textos legais que orientam a ortografia não regulamentam o uso de abreviações e abreviaturas. Portanto, variações são comuns e aceitas. (Para saber a diferença entre abreviação e abreviatura, acesse nosso canal: www.youtube.com/watch?v=EQM7KgZNG28&)
B. Em geral, “Att.” é considerada uma forma reduzida de “attention to”, em inglês.
C. É considerado mais elegante, educado, delicado e cortês escrever ATENCIOSAMENTE assim, por extenso.
D. Há algumas fontes que indicam a opção 5 como ideal, mas aceitam também a 4 .
E. Como bem escreveu Marcuschi, “são os usos que fundam a língua e não o contrário”. Pensando nisso, acreditamos fortemente que, se houver uma regulamentação clara e específica acerca das formas reduzidas, é bem possível que “Att.” seja registrada como a forma correta, em função de seu USO CONSAGRADO.
Conclusão? Não precisa passar a escrever “At.te” nos seus e-mails se não quiser, nem corrigir quem prefere usar as outras formas. A falta de regulamentação torna a flexibilidade totalmente possível.
Mande para os amigos!
Para mais dicas, acompanhe-nos em todas as redes: youtube, facebook, instagram e twitter.

A abreviatura oficial de “atenciosamente” é “at.te”. O site da Academia Brasileira de Letras confirma a informação (www.academia.org.br/nossa-lingua/reducoes). No entanto, no Brasil, temos uma ampla preferência por “Att.”. Fazemos algumas considerações: A. Os textos legais que orientam a ortografia não regulamentam o uso de abreviações e abreviaturas. Portanto, variações são comuns e aceitas. (Para saber […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



19 Maio 2019
Escreve-se “autossabotagem” pelos seguintes motivos:
1) Prefixos (como é o caso de auto, super, mega, anti, hiper, pré, pós etc.) não são considerados palavras independentes e, por isso, não devem aparecer sozinhos. Ou virão grudados em outra palavra, ou unidos por hífen.
2) O hífen só é usado quando o prefixo termina com a mesma letra que inicia a segunda palavra (ou quando a segunda palavra começa com H). Exemplos: auto-observação, micro-ônibus, auto-ônibus, super-homem, auto-higiene, auto-hipnose etc.
3) Quando o prefixo termina em vogal (como é o caso de AUTO) e a segunda palavra começa com R ou S, essas letras deverão ser duplicadas, como ocorre em autossuficiente, autorretrato, autorreflexão, corresponsável, minissérie, semissólido, ultrassom, autosserviço, autossuficiência, autossugestão etc.
“Autossabotagem” ainda não está registrada em dicionários, mas segue a mesma lógica das palavras que listamos acima.

Escreve-se “autossabotagem” pelos seguintes motivos: 1) Prefixos (como é o caso de auto, super, mega, anti, hiper, pré, pós etc.) não são considerados palavras independentes e, por isso, não devem aparecer sozinhos. Ou virão grudados em outra palavra, ou unidos por hífen. 2) O hífen só é usado quando o prefixo termina com a mesma letra que […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



19 Maio 2019
Quando usamos o verbo TER ou HAVER, o verbo IMPRIMIR fica em sua forma mais longa, como em “Eu já havia imprimido”.
Nos outros casos, ele fica em sua forma mais curta, como em “Os documentos estão impressos”, “Os livros foram impressos com sucesso” etc.
 
Acontece a mesma coisa com o verbo ENTREGAR: “Eu já havia entregado”.
Quando NÃO TEMOS o verbo HAVER ou o verbo TER, o verbo ENTREGAR fica em sua forma mais curta, como em “Os documentos foram entregues hoje”, “A encomenda está entregue” etc.
 
Achou difícil guardar? Lembre-se do verbo MATAR, que você já usa de forma intuitiva: “Ele já TINHA MATADO a barata quando eu cheguei” / “A barata já ESTAVA MORTA”.

Quando usamos o verbo TER ou HAVER, o verbo IMPRIMIR fica em sua forma mais longa, como em “Eu já havia imprimido”. Nos outros casos, ele fica em sua forma mais curta, como em “Os documentos estão impressos”, “Os livros foram impressos com sucesso” etc.   Acontece a mesma coisa com o verbo ENTREGAR: “Eu […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.