29 Janeiro 2019
Muita gente diz que esse sinal cria “uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto”, mas isso parece subjetivo, não? Vamos aos fatos:
1. Para separar itens enumerados em listas.
Exemplo:
“Alguns dos papéis da escola são:
• formar jovens críticos;
• socializar conhecimentos embasados;
• valorizar a cultura;
• educar para a convivência harmoniosa;
• ampliar o repertório dos jovens;
• formar cidadãos éticos.”
2. Para dividir frases longas que já serão subdivididas por vírgulas.
Exemplo:
“O uso da tecnologia pode gerar duas consequências: a primeira, de caráter econômico, é uma redução de custos; a segunda, de natureza social, é o desemprego.”
3. Quando houver omissão de um verbo e mudança de sujeito.
Exemplos:
“Prefiro brigadeiro; minha mãe, pudim; meu pai, sorvete.”
“A cidade está vazia; as ruas, tristes.”
4. Quando quisermos prolongar as pausas das conjunções adversativas.
Exemplo:
“Confio em você; contudo, gostaria que me enviasse os comprovantes.”
5. Para separar orações quando, no meio da frase, um verbo anteceder uma conjunção.
Exemplo:
“Planejei comprar todos os produtos na farmácia; encontrei, porém, somente alguns.”

Muita gente diz que esse sinal cria “uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto”, mas isso parece subjetivo, não? Vamos aos fatos: 1. Para separar itens enumerados em listas. Exemplo: “Alguns dos papéis da escola são: • formar jovens críticos; • socializar conhecimentos embasados; • valorizar a cultura; • educar para […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



4 Julho 2018
Usamos “nenhum” com sentido de nada ou ninguém, enquanto “nem um” tem o sentido de “nem sequer um”, “nem um único” ou “nem ao menos um”. O mesmo com os femininos.
Veja:
“Nenhum aluno veio à aula.”
Ninguém veio à aula.
“Nem um aluno veio à aula.”
O mínimo que se esperava era que um aluno viesse, mas nem mesmo um aluno veio.
_____
“Não tenho dinheiro nenhum.”
Não tenho nada de dinheiro.”
“Não tenho nem uma moeda.”
Eu poderia, pelo menos, ter uma moedinha, mas não tenho nem isso.
“Não tenho nenhuma moeda.”
Só tenho cédulas, nada de moedas.

Usamos “nenhum” com sentido de nada ou ninguém, enquanto “nem um” tem o sentido de “nem sequer um”, “nem um único” ou “nem ao menos um”. O mesmo com os femininos. Veja: “Nenhum aluno veio à aula.” Ninguém veio à aula. “Nem um aluno veio à aula.” O mínimo que se esperava era que um […]

Leia mais

escrito por

Léo Ottesen é escritor, poeta e professor de escrita criativa.



29 Dezembro 2017

BEBEDOURO é o nome daquele aparelho com água encanada com um pequeno jato. É, portanto, o lugar onde se bebe água.

O sufixo DOURO tem origem latina e costuma indicar um lugar onde se realiza uma determinada ação. Outros exemplos seriam COMEDOURO (lugar ou recipiente onde os animais se alimentam), SUMIDOURO (abertura por onde algo se escoa ou some), MIRADOURO (o mesmo que mirante; lugar de onde se observa algo) e MATADOURO (lugar onde gados são abatidos).

Outro sufixo que também tem ideia de lugar é TÓRIO, como sanatório, escritório, refeitório, consultório etc.

A palavra BEBEDOR indica aquele que bebe. O sufixo DOR costuma expressar o agente de uma ação, como em narrador, mobilizador, lavrador, mediador, pacificador, coordenador, provedor, caçador, predador, vencedor, consumidor, traidor, orientador, morador etc.

No entanto, a troca de sufixos é comum na língua popular. Por exemplo: o ESCORREGADOR não é a pessoa que escorrega e sim o lugar onde se escorrega. O CORREDOR pode não ser somente a pessoa que corre, mas também um lugar estreito em casas e prédios. Ou seja, nem sempre a fronteira semântica é tão rígida assim.

BEBEDOURO é o nome daquele aparelho com água encanada com um pequeno jato. É, portanto, o lugar onde se bebe água. O sufixo DOURO tem origem latina e costuma indicar um lugar onde se realiza uma determinada ação. Outros exemplos seriam COMEDOURO (lugar ou recipiente onde os animais se alimentam), SUMIDOURO (abertura por onde algo […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



13 Março 2017

Muitos dicionários definem a ironia como uma figura por meio da qual dizemos o contrário daquilo que realmente pretendemos expressar. No entanto, essa característica não é suficiente para ensinar alguém a ser irônico, principalmente por escrito, quando não contamos com o recurso da entonação. Neste vídeo, Carol ensina outros aspectos para quem quer ser irônico por escrito. Assistam e se inscrevam em nosso canal!

 

Muitos dicionários definem a ironia como uma figura por meio da qual dizemos o contrário daquilo que realmente pretendemos expressar. No entanto, essa característica não é suficiente para ensinar alguém a ser irônico, principalmente por escrito, quando não contamos com o recurso da entonação. Neste vídeo, Carol ensina outros aspectos para quem quer ser irônico […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.