m01 m02 m03
27.Fev.2015



Não dá pra negar: nós julgamos as pessoas com base na maneira como elas falam. Questionamos quando alguém que ocupa um cargo alto comete desvios em relação à norma-padrão da língua, ridicularizamos quem parece assassinar a língua portuguesa (leia mais) e duvidamos de que um presidente que “não sabe nem falar” possa governar nosso país. O fato é: estamos errados. Se nos julgamos cultos e aptos o bastante a ponto de podermos avaliar a fala dos outros, certamente também poderemos tentar entender a razão que a desencadeia. É uma maneira de perceber que o funcionamento da língua é mais complexo do que parece e de pararmos de simplesmente nos queixar em nome de nossos ouvidos sensíveis, que não sabem lidar com variantes da nossa língua. Alguns exemplos:

 

Menas é mais

As pessoas aprenderam que as palavras relacionadas a substantivos femininos devem ficar no feminino. Por exemplo:

muitos homens, muitas mulheres

muitos dias, muitas vezes

muito sono, muita vontade

E, seguindo o mesmo raciocínio, dizem:

Menos cansado, menas cansada

Menos pesado, menas pesada

O “menos”, porém, não tem flexão de gênero. Sendo assim, “menas”, em teoria, não existe. Por que motivo, então, as pessoas usam essa palavra?

Quem diz “menas” usa sempre com palavra feminina. Ninguém vai falar “menas dias” ou “menas homens”, mas sim “menas horas”, “menas vezes”, “menas oportunidades”, “menas fome”. Ou seja: estão aplicando a flexão de gênero, o que estaria certo em quase todos os outros contextos, mas não nesse. O raciocínio está certo. Não se trata de um erro absurdo, de ignorância, burrice ou incompetência. É apenas uma exceção que algumas pessoas desconhecem. Mais que isso: podemos considerar um caso de hipercorreção, pois é justamente por ter um conhecimento que esse equívoco é cometido. O “problema” (que, convenhamos, não constitui de fato um problema) é que um conhecimento que foi adquirido está sendo aplicado em mais contextos do que deveria. Uma pequena inadequação, nada grave.

 

A flor de zíaco

Podemos até achar engraçado, mas antes de deslegitimarmos o indivíduo que fez esse registro, cabe perguntar: Que caminho foi percorrido para que “afrodisíaco” se tornasse “a flor de zíaco”?

Comecemos pela “flor”. Em algumas regiões, é comum a troca do L pelo R (rotacismo, o mesmo fenômeno percebido em “frauta”, “Craudio”, “pranta” etc.), bem como a supressão do R final (como em “dotô”, “amô”, “calô”). Não seria estranho supor, portanto, um falante que refletisse consigo: “bem, eu falo FRÔ, mas a gente escreve FLOR”. Pensemos agora sobre a sílaba “di”, em “afrodisíaco”. Como é comum pronunciarmos i em palavras terminadas com a letra E, seria plausível supor novamente que o falante se convenceu de que falamos “di”, mas devemos escrever “de”. Ou seja, o raciocínio que transformou “afrodisíaco” na flor de zíaco é completamente lógico! Essa nova segmentação, embora provoque risos, não pode ser considerada um resultado de ignorância, uma vez que foram justamente os SABERES do falante que resultaram nela.

 

Quem tem um pobrema tem dois

E quem diz essa frase também tem um problema, que é nunca ter estudado a história da nossa língua (e de outras). O rotacismo, nome dado ao fenômeno de trocar L por R (e vice-versa), é algo verificado ao longo da evolução de várias línguas. No caso do português, há muitas palavras que hoje usamos com R mas que, em sua origem, eram grafadas e pronunciadas com L. Tiramos alguns exemplos de um livro do professor Marcos Bagno:

blandu > brando

flaccu > fraco

obligare > obrigar

plica > prega

Essas mudanças são próprias das línguas! Quando temos mais facilidade para pronunciar determinados sons, tendemos a preferi-los em detrimento de outros. A lei do mínimo esforço é bastante comum nessa área, ou alguém acha que “vossa mercê” era mais fácil de pronunciar que “você”? E por que cortamos o R final do infinitivo dos verbos (“estudá”, “fazê”, “comê”)?
Se achamos que uma pessoa não merece ser ouvida porque não conhece todas as convenções da língua, quem tem um problema somos nós.

 

Por fim…

Não custa lembrar que a nossa mania de rir de quem “fala errado” é menos uma preocupação linguística que nosso ímpeto por discriminar o diferente. Como disse o professor Sírio Possenti: “No fundo, o preconceito linguístico é um preconceito social. É uma discriminação sem fundamento que atinge falantes inferiorizados por alguma razão e por algum fato histórico. Os que dizemos que falam errado são apenas cidadãos que seguem outras regras e que não têm poder para ditar quais são as elegantes.”

 

_________________________________________

PS: Proponho um exercício rápido. Quando criticamos quem comete algum desvio em nossa língua, nos esquecemos de que existem sempre aquelas normas que desconhecemos. Veja as dicas abaixo e responda: você sabia?   :)

1. A palavra “siclano” não consta em nenhum dicionário! O correto é dizer “fulano, beltrano e sicrano”.

2. “Dó” é uma palavra masculina, portanto, se quisermos ser grammarnazis, deveremos dizer “me deu um dó!” e não “uma dó”.

3. A conjugação correta do verbo VER é “se eu vir”, e não “se eu ver”.

4. Embora seja comum ouvirmos “a champanhe”, essa palavra está registrada em boa parte dos dicionários como substantivo masculino, e no VOLP como substantivo de dois gêneros!

5. Uma crise pode por “em XEQUE” o futuro de nossa cidade, e não “em cheque”.

6. Quem nasce na Bahia é baiano, sem H.

7. Quem torce pro Corinthians é corintiano, sem H.

8. “Mascote” é um substantivo feminino.

9. A frase “Gosto de livros que baseiam-se em histórias reais” está errada. Obrigatoriamente, devemos dizer “livros QUE SE BASEIAM”, pois o “que” atrai o “se”.

10. “Grama” é um substantivo feminino quando estamos falando daquela ervinha verde de jardim. Já a unidade de medida é um substantivo masculino. Por isso pedimos duzentos gramas de presunto, e não duzentas.

 

marcuschiiiiiiiiiiiiiiiii

 

ziaco

 

[Não está recebendo nossas atualizações no Facebook? Siga-nos no Twitter ou deixe seu e-mail nos comentários para ser notificado quando houver textos novos!]

 

marcos-bagno-carolina-jesper-jesus-pereira-carol irmao-carolina-jesper-jesus-pereira-carol primas-carolina-jesper-jesus-pereira-carol mae-carolina-jesper-jesus-pereira-carol carolina-jesper-jesus-pereira-carol-psicanalise-workshop carolina-jesper-jesus-pereira-carol- carolina-jesper-jesus-pereira-carol tab283x91@2x

11 comentários

11 comentários para “Menas é mais: a flor de zíaco e outras histórias”


gilberto

Oi, gostaria de receber textos novos sobre língua portuguesa, pois sou ignorante e preconceitoso conforme texto. Desde já agradeço. Um abraço


Pedro Costa de Lima

Discordo. Em primeiro lugar, para aprender, basta querer. Não há por que defender quem fala errado. Isso é assassinar a língua-pátria SIM. Em nome da linguística o ensino da língua está sendo deixado de lado. A culpa é de quem acha que não há problemas em falar errado.

Garcia:

O estudo de linguística serve justamente para entender como funciona o idioma, para, então, propor-se a norma culta. Estudo de língua é ciência, ao contrário de que muitos pensam; e não há defesa em quem “fala errado”, mas compreender como acontece. O fato é que a língua segue um processo evolutivo comum que são interrompidos pelo “congelamento” proporcionado por meio de gramáticas e dicionários. Vejamos que o “erro” ao se falar “propio”, por exemplo, tem correlato em espanhol: o que demonstra que as pessoas que falam “propio” apenas seguiram o processo evolutivo, logo, elas não podem estar erradas por causa disso.
Outro exemplo, o rotacismo (troca de L por R) também é processo evolutivo, e vemos em Portugal que se fala ALUGUER, e eles não são errados também.
Todavia, perante todo o preciosismo, é importante que não se atente apenas à ortografia, mas à sintaxe da língua, que respeita uma lógica. Seu texto, por exemplo, tem um problema sério de uso de vírgulas e uso de “porque”. O registro escrito é pior que o falado. Não se esqueça.


Suzane

Muito bom


Valéria Araujo

Parabéns pelo texto e pela proposta do site de transmitir informações sobre nossa língua sem preconceitos linguísticos.


Tânia Flores

arcos Bagno trata muito bem dessa questão especialmente em “A língua de Eulália” Numa pessoa que NÂO teve acesso à norma padrão, essas formas arcaicas são plenamente aceitáveis e compreensíveis. Toda língua evolui em função dos falantes. O grande perigo é professores adotarem essa perspectiva no sentido de se desobrigarem de oportunizar aos estudantes o acesso à norma padrão. A não-padrão ele já domina. É função da escola evidenciar que há várias formas de se falar a língua, e que tais formas adequam-se a determinados contextos, não a outros. Esse espontaneísmo é altamente perigoso pois, em diversos casos, o estudante conclui o ensino médio e ainda não entende a questão da adequação da linguagem ao contexto, à situação comunicativa. Numa situação mais formal, ele não sabe utilizar a linguagem adequada e, como disse Gnerre, “a linguagem é a ferramenta mais poderosa, é o arame farpado, entre o homem e o poder! É importante conhecermos as variações linguísticas, compreendê-las e adequá-las aos contextos comunicativos, é assim que desenvolvemos nossa “competência Linguística”!


Marcelo Vaz

O texto é tendencioso (afinal poucos não são), defende o erro, a vulgarização do idioma, com a complacência da permissividade linguística.


José Alberto Dias Lopes

Sem comentário, poderíamos diminuir as regras e facilitar a vida do povo. Por que entre de “P” e “B” , não se escreve “N”. Em que isso muda a nossa lingua? Tiraram o “PH” de PHARMACIA e a vida melhorou, temos mais “saúde”.


Cida

bem interessante o esclarecimento. Certas palavras usadas erroneamente principalmente para quem tem um certo conhecimento, dói no ouvido…..quanto mais se fala errado mais empobrecida se torna a nossa língua…..


Fernando Montgeiro

Essas duas últimas Reformas foram uma bagunça total. Não há uniformidade entre os países lusófonos. E também o português é sobrepujado pelos dialetos tribais na maioria deles. O que os linguistas e/ou gramáticos deveriam fazer é varrer o lixo i. e.
enxugar flexões, morfologias, sintaxes e outras que dificultam o aprendizado.
A propósito: eu escrevo bahiano com agá, mesmo porque o topônimo o conserva e, para não confundir com baiano de uma baía qualquer.
Sou bahiano salvadorense sobretudo, em vez da frescura de soteropolitano cujos léxicos o têm como arcaico.
Um abraço.

Fernando Montgeiro:

Corrigindo meu nome: Fernando Monteiro


Deixe um comentário