11 Junho 2021

Muitas das mensagens que chegam aqui vêm de professores recém-formados ou futuros professores que se sentem inseguros para ensinar a língua portuguesa. Algumas pessoas parecem sugerir que desconfiam dos próprios conhecimentos, sentem que não sabem o bastante para orquestrar uma sala de aula ou temem que as próprias dificuldades sejam um obstáculo para que se tornem profissionais competentes.
Vejo que, comumente, a construção da autoconfiança passa por reafirmações que seguem na linha do “você já é ótimo/a”, “você é maravilhoso/a”, “você vai arrasar” etc., como se se tratasse apenas de medo e como se bastasse ao profissional acreditar no próprio talento. Mas o fato é que o questionamento sobre o próprio desempenho pode ter como origem a consciência do próprio despreparo, o que é sinal de responsabilidade. Por isso, não me parece que o caminho seja imaginar que já somos suficientes e que apenas nos falta confiança, assim como não acho que o caminho seja conformar-se com a própria (suposta) inabilidade. Ciente das próprias limitações, o novo professor, assim como QUALQUER OUTRO profissional, poderá buscar se preparar mais, pedir feedback para pares mais experientes, fazer treinamentos, ler e estar disposto a aprender com os outros, com os alunos e com as próprias práticas.
Outra ressalva importante quanto ao medo de não dominar o conteúdo é saber que essa é apenas uma parte das suas funções. O papel dos professores vem mudando muito ao longo dos anos e não é mais esperado que o professor seja o “detentor” de conhecimento responsável por “transferi-lo” aos estudantes. Quanto mais pensarmos o aluno como protagonista do próprio processo de aprendizagem, menos “problemático” será que o professor não domine algo da sua área, pois ele poderá propor um aprendizado colaborativo, fazer um convite à pesquisa, provocar o levantamento de hipóteses, mostrar que os saberes são mutáveis etc. Todo professor se depara vez ou outra com uma pergunta a que não sabe responder; não é exclusividade dos iniciantes. Será que isso é mesmo tão nocivo?
Uma vez fiz uma pesquisa com os seguidores do Português é legal perguntando qual estilo de médico eles preferiam: aquele que arrisca resposta e diagnóstico para tudo ou aquele que diz “não sei, vou pesquisar”. Essa foi uma pesquisa informal, claro, mas não houve NENHUMA pessoa que tenha declarado preferir o profissional que sugere saber tudo. Será que precisamos impor a nós mesmos uma expectativa que não temos sobre os outros? Será que não é consenso entre todas as pessoas que lidam com conhecimento o fato de que não nos apropriaremos jamais do “todo” de saberes das nossas áreas?
Até hoje, todas as minhas experiências profissionais me trazem insegurança e nervosismo, seja quando entro em uma sala de aula, escrevo um material didático, faço uma tradução ou ainda quando ensino algo na internet. Eu questiono o que digo e como digo, o que escrevo e como escrevo, e esse questionamento me ajuda a aprofundar as pesquisas e aprender mais. A consciência de que a natureza do conhecimento não me permite saber tudo me trouxe uma tranquilidade profunda para lidar com o desconhecido e para ampliar meu interesse pelo que ainda posso conhecer. Espero que essa linha de raciocínio faça sentido para mais alguém.

@carolinajesper

Muitas das mensagens que chegam aqui vêm de professores recém-formados ou futuros professores que se sentem inseguros para ensinar a língua portuguesa. Algumas pessoas parecem sugerir que desconfiam dos próprios conhecimentos, sentem que não sabem o bastante para orquestrar uma sala de aula ou temem que as próprias dificuldades sejam um obstáculo para que se […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



15 Maio 2021
Quando alguém diz que a educação brasileira é ruim, do que está falando? Porque o papel da escola é amplo e vai além de desenvolver a dimensão intelectual do aluno. Será que a pessoa se refere ao que os professores sabem? À forma como ensinam? A quanto os alunos aprendem? Ao quanto a escola identifica, acolhe e resolve as necessidades de seres humanos em fase de formação? Aos resultados dos alunos nas provas de português e matemática? Será que imagina que transferir os alunos para as escolas particulares resolveria o problema? Sem dar a eles a refeição que muitas vezes falta em casa? Sem levar em conta qual e como é o trajeto até a escola? Será que a pessoa compreende que parte do desenvolvimento cognitivo e intelectual ocorre fora da escola, com os livros que a criança lê em casa, com as conversas de que participa com a família, com as viagens, os filmes, os passeios, as perguntas, com seu entorno de modo geral? Com o estímulo que recebe ou a falta dele? Com as obrigações que tem fora da escola, que para muitas inclui trabalhar? E, do outro lado dessa conversa colada em extremos, o que significa a dita educação de qualidade? Uma educação adaptada para resultar em boas notas nos testes internacionais, ainda que outros valores e competências fiquem de fora? Uma educação baseada na memorização de informações, ainda que alunos muito jovens desenvolvam ansiedade em função da pressão por bons resultados? O que pode ser colocado em jogo em nome do que vai ser considerado uma boa educação? O que ou quem se culpa pelo que é considerado educação ruim? O que se espera dos professores?
Não são só os números que faltam na discussão, mas a própria concepção de educação. Os leitores de manchete sabem que o Brasil ocupa as últimas posições do PISA, mas o que isso significa para além do ranking? O que espera como mudança quem descobriu essa informação só com a superficialidade de uma manchete? De uma discussão sobre educação, mais que ouvir da outra pessoa os números que ela decorou, eu esperaria ouvir o que ela entende do que está dizendo, porque talvez seja nesse aprofundamento que se evidencie ainda mais o que o outro nem imaginava não saber.
Quanto ao argumento sobre a educação da Finlândia, que tal olharmos para o que realmente foi feito lá? Um documento da OCDE chamado “Finland: Slow and Steady Reform for Consistently High Results” pode nos ajudar a entender melhor o cenário. Algumas das mudanças que a Finlândia realmente fez foram: garantir uma refeição quente diária por aluno; oferecer tratamento médico e dentário para alunos e famílias; disponibilizar aconselhamento psicológico para alunos e famílias; tornar o mestrado obrigatório e oferecer mais treinamento e acompanhamento para os professores; reduzir o currículo nacional; dar mais autonomia para os professores; reduzir o número de horas de ensino, de modo que os professores também tivessem tempo para definir o próprio currículo. Em 1993, a Finlândia estava perto de um colapso econômico. Ela está longe de ser um dos países com maior gasto por aluno no mundo, mas conseguiu melhorar o desempenho educacional com um conjunto de decisões políticas implementadas e sustentadas por um longo período. Dá pra perceber que não se trata apenas do currículo ensinado em sala de aula?
@carolinajesper
Mestra em educação. Autora de livros didáticos.

Quando alguém diz que a educação brasileira é ruim, do que está falando? Porque o papel da escola é amplo e vai além de desenvolver a dimensão intelectual do aluno. Será que a pessoa se refere ao que os professores sabem? À forma como ensinam? A quanto os alunos aprendem? Ao quanto a escola identifica, […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



19 Maio 2019

Um leitor pergunta se é errado falar ou escrever “Bom dia a todos e a todas”.

Que pergunta interessante! Vamos analisar?

Dizer “Bom dia a todos” seria suficiente para incluir homens e mulheres, uma vez que a língua portuguesa se vale da forma masculina como o uso “neutro” que abrange elementos de gêneros distintos. Desse modo, “todos e todas” pode ser considerado uma redundância (ou pleonasmo) de fato.

No entanto, pergunto: o EFEITO DE SENTIDO é o mesmo quando o falante faz questão de explicitar o “todas”, com o gênero feminino, que não costuma ser marcado? CLARO QUE NÃO! Quem decide usar “todos e todas” sabe que não seria necessário, mas ESCOLHE fazê-lo. Em sociedades nas quais mulheres não foram consideradas interlocutoras por muito tempo, esse esforço do falante de ressaltar que se dirige também a elas é compreensível.

Recapitulando:
Dizer somente “Bom dia a todos” é suficiente? SIM.
Incluir “todos e todas” é errado? NÃO.
É necessário? NÃO.
Dá na mesma? NÃO.
Explicita um desejo do falante de ser inclusivo? SIM.

É só isso.
Você pode escolher como prefere falar, ok? Só não diga por aí que a redundância é idiota ou inútil, porque ela vem CARREGADA de sentidos e intenções inegáveis.

🌟
Como vocês têm notado com nossas postagens sobre vírgula e crase, pequenas mudanças provocam grandes impactos para o sentido. É fundamental não desprezar isso.

 

Um leitor pergunta se é errado falar ou escrever “Bom dia a todos e a todas”. Que pergunta interessante! Vamos analisar? Dizer “Bom dia a todos” seria suficiente para incluir homens e mulheres, uma vez que a língua portuguesa se vale da forma masculina como o uso “neutro” que abrange elementos de gêneros distintos. Desse […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



19 Maio 2019
Quando lançamos nosso curso de Atualização Gramatical, anunciamos que guardaríamos cinco vagas para alunos que não pudessem pagar. Depois da difícil seleção, gostaríamos de deixar algumas explicações e fazer agradecimentos.
Antes disso, vamos aos escolhidos?
Bem-vindos, @marcelo.lucs, @hih3y, @larissameloguimaraes, @nathan_cabral e @knoxvilledaniel!
Vocês são oficialmente os primeiros bolsistas do @portuguespravida.cursos.
Mas não serão os únicos. A cada novo ciclo de alunos, pretendemos reabrir o processo de bolsas. Quem já se candidatou vai continuar participando da próxima seleção. Ainda queremos receber muitos de vocês como nossos alunos!
E o agradecimento vai a todos os alunos que já se matricularam, pois são eles que viabilizam a abertura de bolsas para que mais gente possa ter essa oportunidade.
As matrículas continuam abertas e a oferta de lançamento ainda dura algumas semanas, como vocês podem conferir no site www.portuguespravida.com.br.
As publicações aqui no Português é legal seguem constantes e gratuitas como sempre.
Aos selecionados: aguardem nosso contato.

Quando lançamos nosso curso de Atualização Gramatical, anunciamos que guardaríamos cinco vagas para alunos que não pudessem pagar. Depois da difícil seleção, gostaríamos de deixar algumas explicações e fazer agradecimentos. Antes disso, vamos aos escolhidos? Bem-vindos, @marcelo.lucs, @hih3y, @larissameloguimaraes, @nathan_cabral e @knoxvilledaniel! Vocês são oficialmente os primeiros bolsistas do @portuguespravida.cursos. Mas não serão os únicos. […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.