21 Junho 2019
Carolina Pereira
Observe a imagem com atenção. Antes de comentar, farei algumas perguntas (preservando a licença poética e personificação da imagem).
 
• As pinturas retratam a realidade de modo fiel?
• Aparentemente, houve a intenção de reproduzir a realidade?
• Se outros seres fizessem o mesmo registro, o resultado poderia ser o mesmo?
• Sem discutir a ilustração com seres diferentes, o/a personagem seria capaz de perceber que seus registros não correspondem com exatidão à realidade?
 
Vocês provavelmente já sabem onde quero chegar. Quando falamos sobre interpretação de texto, muitas pessoas (leigas, em geral) acreditam que todas as “leituras” devem ser respeitadas. Podemos entender por que alguém leu como leu, de modo respeitoso, mas existem leituras possíveis e leituras erradas. O chifre do rinoceronte não faz parte da paisagem, mas somente confrontando a própria visão às de outros seres seria possível que o artista colocasse em xeque a própria interpretação.
 
O mesmo acontece quando lemos. Muitas vezes, nossa interpretação não é bem feita porque resulta de nossas crenças, visões, posicionamentos etc. Para mostrar que isso não é novidade, compartilho trechos de um texto de 1984, escrito por Luiz Antônio Marcuschi:
 
“[…] o contexto sociocultural, os conhecimentos de mundo, as experiências e as crenças individuais influenciam na organização das inferências durante a leitura. Como lembra Spiro (1980), apesar de pouco sabermos a respeito do problema da compreensão de textos, já emerge como fundamental um consenso, ou seja, que os conhecimentos individuais afetam decisivamente a compreensão, de modo que O SENTIDO NÃO RESIDE NO TEXTO. Assim, embora o texto permaneça como o ponto de partida para a sua compreensão, ele só se tornará uma unidade de sentido na interação com o leitor. […] Não creio que haja razões sérias para se duvidar de que os conhecimentos individuais pré-existentes, sejam quais forem, ativam durante a leitura determinados esquemas, frames, scripts, modelos ou cenários que determinam, nos indivíduos, compreensões qualitativamente diferentes para o mesmo texto.”
 
Será que somos bons leitores, principalmente na internet? Deixamos nossas convicções atrapalharem os processos de inferência? Buscamos reler os textos, discuti-los ou ter acesso ao modo como outras pessoas o compreenderam? Colocamos à prova as “primeiras impressões” que temos ao interpretar algo no texto ou no mundo? Termino com um trecho de uma entrevista publicada em 1982, na qual Paulo Freire diz: “eu acho que um dos princípios fundamentais para ler é aceitar que não se entendeu o que se leu.”.
 
Fonte das citações: BARZOTTO, Valdir Heitor. Estado de leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999. (Coleção Leituras no Brasil)
Carolina Pereira
Observe a imagem com atenção. Antes de comentar, farei algumas perguntas (preservando a licença poética e personificação da imagem).
 
• As pinturas retratam a realidade de modo fiel?
• Aparentemente, houve a intenção de reproduzir a realidade?
• Se outros seres fizessem o mesmo registro, o resultado poderia ser o mesmo?
• Sem discutir a ilustração com seres diferentes, o/a personagem seria capaz de perceber que seus registros não correspondem com exatidão à realidade?
 
Vocês provavelmente já sabem onde quero chegar. Quando falamos sobre interpretação de texto, muitas pessoas (leigas, em geral) acreditam que todas as “leituras” devem ser respeitadas. Podemos entender por que alguém leu como leu, de modo respeitoso, mas existem leituras possíveis e leituras erradas. O chifre do rinoceronte não faz parte da paisagem, mas somente confrontando a própria visão às de outros seres seria possível que o artista colocasse em xeque a própria interpretação.
 
O mesmo acontece quando lemos. Muitas vezes, nossa interpretação não é bem feita porque resulta de nossas crenças, visões, posicionamentos etc. Para mostrar que isso não é novidade, compartilho trechos de um texto de 1984, escrito por Luiz Antônio Marcuschi:
 
“[…] o contexto sociocultural, os conhecimentos de mundo, as experiências e as crenças individuais influenciam na organização das inferências durante a leitura. Como lembra Spiro (1980), apesar de pouco sabermos a respeito do problema da compreensão de textos, já emerge como fundamental um consenso, ou seja, que os conhecimentos individuais afetam decisivamente a compreensão, de modo que O SENTIDO NÃO RESIDE NO TEXTO. Assim, embora o texto permaneça como o ponto de partida para a sua compreensão, ele só se tornará uma unidade de sentido na interação com o leitor. […] Não creio que haja razões sérias para se duvidar de que os conhecimentos individuais pré-existentes, sejam quais forem, ativam durante a leitura determinados esquemas, frames, scripts, modelos ou cenários que determinam, nos indivíduos, compreensões qualitativamente diferentes para o mesmo texto.”
 
Será que somos bons leitores, principalmente na internet? Deixamos nossas convicções atrapalharem os processos de inferência? Buscamos reler os textos, discuti-los ou ter acesso ao modo como outras pessoas o compreenderam? Colocamos à prova as “primeiras impressões” que temos ao interpretar algo no texto ou no mundo? Termino com um trecho de uma entrevista publicada em 1982, na qual Paulo Freire diz: “eu acho que um dos princípios fundamentais para ler é aceitar que não se entendeu o que se leu.”.
 
Fonte das citações: BARZOTTO, Valdir Heitor. Estado de leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999. (Coleção Leituras no Brasil)

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.