4 Julho 2021

Onde está o significado? Somente nas palavras escolhidas? Somente na intenção do autor? Somente na forma de dispor as palavras?⁣⁣
Como palavras idênticas podem criar efeitos tão diferentes quando mudamos os contextos? Como palavras idênticas podem gerar sensações tão distintas?⁣⁣
⁣⁣
O desafio da interpretação é que, para construir sentido, TUDO CONTA. E o sentido não vem “pronto”: é o leitor que vai juntando todos os elementos que tem a seu dispor e, assim, constrói o sentido daquilo que lê.⁣⁣
⁣⁣
Ler significa, também, decodificar o que é óbvio. Mas é mais que isso, pois também requer que o leitor identifique os sentidos que estão ali presentes, mas nas entrelinhas. Por isso, em alguma medida, ler implica identificar o que está além do nível das evidências, mas sem extrapolar, pois a interpretação tem limites. É fácil? Não é. Mas é envolvente, desafiador e muito frutífero. Um bom primeiro passo é perceber que não basta ser alfabetizado para ser um bom leitor.⁣⁣

Observe:


⁣⁣
Esta imagem foi traduzida do inglês. Ela brinca com extremos explícitos: o da fonte sobrecarregada de corações e o da fonte que lembra manchas de sangue. No nosso dia a dia, os traços que buscam nos influenciar e gerar sensações em nós, leitores/consumidores, tendem a ser mais sutis, mas também estão lá. Por isso, em um mundo tão imagético como o nosso, não basta processarmos palavras, pois todo detalhe importa: mensagem, fonte, cores, tamanhos, disposição etc.⁣⁣
⁣⁣
Pode acreditar: cada vez que você passa a estar atento a um aspecto que antes passava despercebido, você se torna um leitor melhor. ❤️⁣⁣

Onde está o significado? Somente nas palavras escolhidas? Somente na intenção do autor? Somente na forma de dispor as palavras?⁣⁣ Como palavras idênticas podem criar efeitos tão diferentes quando mudamos os contextos? Como palavras idênticas podem gerar sensações tão distintas?⁣⁣ ⁣⁣ O desafio da interpretação é que, para construir sentido, TUDO CONTA. E o sentido […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



4 Julho 2021

No livro Mitos de Linguagem (@editoraparabola), o professor Gabriel de Ávila Othero afirma que a ideia de que existe um português correto, que todos estudam na escola por mais de dez anos e raramente dominam, reforça o sentimento de que a língua portuguesa é algo realmente inatingível. Mas isso se deve à forma como vemos (e ensinamos) a gramática normativa.⁣

Em resposta à ideia de que o português figura entre as línguas mais difíceis do mundo, o autor esclarece que NÃO se pode afirmar a existência de um grupo de línguas fáceis e difíceis em si. A explicação é que algumas línguas podem ser mais “simples” que outras em alguns aspectos específicos e, ao mesmo tempo, ser mais “complexas” em outros. E de onde vem a impressão de que há línguas mais fáceis, como o inglês, por exemplo? ⁣

Othero explica que costumamos julgar o grau de dificuldade de alguma língua também por comparação à nossa própria língua (o que é diferente de considerar a língua simplesmente fácil ou difícil por si).⁣ Ou seja, tudo bem se você, brasileiro, acha mais fácil aprender espanhol que russo. Mas isso não significa que, de maneira objetiva, uma seja mais difícil ou fácil que a outra.

Para o professor, talvez se possa afirmar que a única língua mais simples de fato seria uma língua não natural, uma língua artificial (como o esperanto, criado com o intuito de que se tornasse uma segunda língua universal, razão pela qual suas regras gramaticais buscam simplicidade e lógica). ⁣

Vamos ouvir mais uma especialista? Com a palavra, a linguista Margarida Petter: “Ao comparar as línguas em qualquer que seja o aspecto observado, o linguista constata que elas não são melhores nem piores; são, simplesmente, diferentes. Tampouco encontram-se evidências de uma língua que esteja próxima do princípio de uma escala evolutiva, que possa ser considerada primitiva em relação a outras já evoluídas”.⁣

No livro Mitos de Linguagem (@editoraparabola), o professor Gabriel de Ávila Othero afirma que a ideia de que existe um português correto, que todos estudam na escola por mais de dez anos e raramente dominam, reforça o sentimento de que a língua portuguesa é algo realmente inatingível. Mas isso se deve à forma como vemos […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



11 Junho 2021

Muitas das mensagens que chegam aqui vêm de professores recém-formados ou futuros professores que se sentem inseguros para ensinar a língua portuguesa. Algumas pessoas parecem sugerir que desconfiam dos próprios conhecimentos, sentem que não sabem o bastante para orquestrar uma sala de aula ou temem que as próprias dificuldades sejam um obstáculo para que se tornem profissionais competentes.
Vejo que, comumente, a construção da autoconfiança passa por reafirmações que seguem na linha do “você já é ótimo/a”, “você é maravilhoso/a”, “você vai arrasar” etc., como se se tratasse apenas de medo e como se bastasse ao profissional acreditar no próprio talento. Mas o fato é que o questionamento sobre o próprio desempenho pode ter como origem a consciência do próprio despreparo, o que é sinal de responsabilidade. Por isso, não me parece que o caminho seja imaginar que já somos suficientes e que apenas nos falta confiança, assim como não acho que o caminho seja conformar-se com a própria (suposta) inabilidade. Ciente das próprias limitações, o novo professor, assim como QUALQUER OUTRO profissional, poderá buscar se preparar mais, pedir feedback para pares mais experientes, fazer treinamentos, ler e estar disposto a aprender com os outros, com os alunos e com as próprias práticas.
Outra ressalva importante quanto ao medo de não dominar o conteúdo é saber que essa é apenas uma parte das suas funções. O papel dos professores vem mudando muito ao longo dos anos e não é mais esperado que o professor seja o “detentor” de conhecimento responsável por “transferi-lo” aos estudantes. Quanto mais pensarmos o aluno como protagonista do próprio processo de aprendizagem, menos “problemático” será que o professor não domine algo da sua área, pois ele poderá propor um aprendizado colaborativo, fazer um convite à pesquisa, provocar o levantamento de hipóteses, mostrar que os saberes são mutáveis etc. Todo professor se depara vez ou outra com uma pergunta a que não sabe responder; não é exclusividade dos iniciantes. Será que isso é mesmo tão nocivo?
Uma vez fiz uma pesquisa com os seguidores do Português é legal perguntando qual estilo de médico eles preferiam: aquele que arrisca resposta e diagnóstico para tudo ou aquele que diz “não sei, vou pesquisar”. Essa foi uma pesquisa informal, claro, mas não houve NENHUMA pessoa que tenha declarado preferir o profissional que sugere saber tudo. Será que precisamos impor a nós mesmos uma expectativa que não temos sobre os outros? Será que não é consenso entre todas as pessoas que lidam com conhecimento o fato de que não nos apropriaremos jamais do “todo” de saberes das nossas áreas?
Até hoje, todas as minhas experiências profissionais me trazem insegurança e nervosismo, seja quando entro em uma sala de aula, escrevo um material didático, faço uma tradução ou ainda quando ensino algo na internet. Eu questiono o que digo e como digo, o que escrevo e como escrevo, e esse questionamento me ajuda a aprofundar as pesquisas e aprender mais. A consciência de que a natureza do conhecimento não me permite saber tudo me trouxe uma tranquilidade profunda para lidar com o desconhecido e para ampliar meu interesse pelo que ainda posso conhecer. Espero que essa linha de raciocínio faça sentido para mais alguém.

@carolinajesper

Muitas das mensagens que chegam aqui vêm de professores recém-formados ou futuros professores que se sentem inseguros para ensinar a língua portuguesa. Algumas pessoas parecem sugerir que desconfiam dos próprios conhecimentos, sentem que não sabem o bastante para orquestrar uma sala de aula ou temem que as próprias dificuldades sejam um obstáculo para que se […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



15 Maio 2021
Quando alguém diz que a educação brasileira é ruim, do que está falando? Porque o papel da escola é amplo e vai além de desenvolver a dimensão intelectual do aluno. Será que a pessoa se refere ao que os professores sabem? À forma como ensinam? A quanto os alunos aprendem? Ao quanto a escola identifica, acolhe e resolve as necessidades de seres humanos em fase de formação? Aos resultados dos alunos nas provas de português e matemática? Será que imagina que transferir os alunos para as escolas particulares resolveria o problema? Sem dar a eles a refeição que muitas vezes falta em casa? Sem levar em conta qual e como é o trajeto até a escola? Será que a pessoa compreende que parte do desenvolvimento cognitivo e intelectual ocorre fora da escola, com os livros que a criança lê em casa, com as conversas de que participa com a família, com as viagens, os filmes, os passeios, as perguntas, com seu entorno de modo geral? Com o estímulo que recebe ou a falta dele? Com as obrigações que tem fora da escola, que para muitas inclui trabalhar? E, do outro lado dessa conversa colada em extremos, o que significa a dita educação de qualidade? Uma educação adaptada para resultar em boas notas nos testes internacionais, ainda que outros valores e competências fiquem de fora? Uma educação baseada na memorização de informações, ainda que alunos muito jovens desenvolvam ansiedade em função da pressão por bons resultados? O que pode ser colocado em jogo em nome do que vai ser considerado uma boa educação? O que ou quem se culpa pelo que é considerado educação ruim? O que se espera dos professores?
Não são só os números que faltam na discussão, mas a própria concepção de educação. Os leitores de manchete sabem que o Brasil ocupa as últimas posições do PISA, mas o que isso significa para além do ranking? O que espera como mudança quem descobriu essa informação só com a superficialidade de uma manchete? De uma discussão sobre educação, mais que ouvir da outra pessoa os números que ela decorou, eu esperaria ouvir o que ela entende do que está dizendo, porque talvez seja nesse aprofundamento que se evidencie ainda mais o que o outro nem imaginava não saber.
Quanto ao argumento sobre a educação da Finlândia, que tal olharmos para o que realmente foi feito lá? Um documento da OCDE chamado “Finland: Slow and Steady Reform for Consistently High Results” pode nos ajudar a entender melhor o cenário. Algumas das mudanças que a Finlândia realmente fez foram: garantir uma refeição quente diária por aluno; oferecer tratamento médico e dentário para alunos e famílias; disponibilizar aconselhamento psicológico para alunos e famílias; tornar o mestrado obrigatório e oferecer mais treinamento e acompanhamento para os professores; reduzir o currículo nacional; dar mais autonomia para os professores; reduzir o número de horas de ensino, de modo que os professores também tivessem tempo para definir o próprio currículo. Em 1993, a Finlândia estava perto de um colapso econômico. Ela está longe de ser um dos países com maior gasto por aluno no mundo, mas conseguiu melhorar o desempenho educacional com um conjunto de decisões políticas implementadas e sustentadas por um longo período. Dá pra perceber que não se trata apenas do currículo ensinado em sala de aula?
@carolinajesper
Mestra em educação. Autora de livros didáticos.

Quando alguém diz que a educação brasileira é ruim, do que está falando? Porque o papel da escola é amplo e vai além de desenvolver a dimensão intelectual do aluno. Será que a pessoa se refere ao que os professores sabem? À forma como ensinam? A quanto os alunos aprendem? Ao quanto a escola identifica, […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.