13 Maio 2018

A resposta é simples: tanto faz. Fim de semana e final de semana são expressões consideradas sinônimas em português e o falante pode escolher usar aquela que preferir. No entanto, em alguns sites é possível encontrar a informação de que somente a primeira está correta. Por quê?

1) Algumas pessoas consideram que “fim de semana” é uma expressão consagrada, principalmente porque no passado já foi escrita com hífen (o que não existe mais). Na verdade, hoje em dia o “final de semana” é tão usado pelos falantes quanto o “fim”, uma das razões para que tanta gente tenha dúvidas acerca de qual seria a expressão “correta”. Não há motivos para eleger apenas uma, sendo que ambas passam a mesma ideia.

2) Há quem considere que a palavra “fim” é um substantivo (e que se oporia a “início da semana”) e que “final” é somente um adjetivo (e que se oporia a “inicial da semana”). Trata-se de um preciosismo que não se sustenta, já que o uso de “final” em função de substantivo também é comum (“o final do filme me surpreendeu”; “o final do livro é excelente”; “no final, restou a amizade”). Há também o uso como substantivo feminino (“Estou ansioso pela final do campeonato”). Muitas palavras em português podem tanto ter função de adjetivo como de substantivo (“O professor é jovem”/”O jovem está dando aulas”; “O sábio menino já nos ensinava grandes lições”/”O sábio era um homem vivido”), o que invalida o argumento de que “final” não pode ter mais de uma função. Qualquer dicionário de português pode reforçar essa informação.

3) Há ainda quem defenda que “fim de semana” inclui o período entre a noite da sexta-feira e a noite de domingo e que o “final de semana” vai até a noite de sábado. O argumento é que, para eles, “final” tem sentido de “última parte” (como em “gosto de passear no final da tarde”) e não de algo que já se acabou. Considero esse um malabarismo “lógico” distante da realidade, mas há quem goste da ideia.

 

Podemos dizer que as afirmações categóricas sobre a língua portuguesa costumam tender ao erro, já que a língua é bem mais flexível do que alguns gostam de supor. Em gramáticas e dicionários, é possível verificar essa flexibilidade. Já em manuais de estilo, sobretudo aqueles de grandes jornais, somente uma forma é eleita, pois os veículos de comunicação buscam padronizar e homogeneizar os textos que publicam. Não se trata de correção, mas de uniformização.

Sabendo que o “final de semana” pode carregar algum estigma em contextos avaliativos, eu sugeriria a preferência pelo “fim”.

Nos outros contextos, a escolha é livre. Vale também para fim/final de ano; fim/final de um show; fim/sinal do mês e assim por diante.

A resposta é simples: tanto faz. Fim de semana e final de semana são expressões consideradas sinônimas em português e o falante pode escolher usar aquela que preferir. No entanto, em alguns sites é possível encontrar a informação de que somente a primeira está correta. Por quê?

1) Algumas pessoas consideram que “fim de semana” é uma expressão consagrada, principalmente porque no passado já foi escrita com hífen (o que não existe mais). Na verdade, hoje em dia o “final de semana” é tão usado pelos falantes quanto o “fim”, uma das razões para que tanta gente tenha dúvidas acerca de qual seria a expressão “correta”. Não há motivos para eleger apenas uma, sendo que ambas passam a mesma ideia.

2) Há quem considere que a palavra “fim” é um substantivo (e que se oporia a “início da semana”) e que “final” é somente um adjetivo (e que se oporia a “inicial da semana”). Trata-se de um preciosismo que não se sustenta, já que o uso de “final” em função de substantivo também é comum (“o final do filme me surpreendeu”; “o final do livro é excelente”; “no final, restou a amizade”). Há também o uso como substantivo feminino (“Estou ansioso pela final do campeonato”). Muitas palavras em português podem tanto ter função de adjetivo como de substantivo (“O professor é jovem”/”O jovem está dando aulas”; “O sábio menino já nos ensinava grandes lições”/”O sábio era um homem vivido”), o que invalida o argumento de que “final” não pode ter mais de uma função. Qualquer dicionário de português pode reforçar essa informação.

3) Há ainda quem defenda que “fim de semana” inclui o período entre a noite da sexta-feira e a noite de domingo e que o “final de semana” vai até a noite de sábado. O argumento é que, para eles, “final” tem sentido de “última parte” (como em “gosto de passear no final da tarde”) e não de algo que já se acabou. Considero esse um malabarismo “lógico” distante da realidade, mas há quem goste da ideia.

 

Podemos dizer que as afirmações categóricas sobre a língua portuguesa costumam tender ao erro, já que a língua é bem mais flexível do que alguns gostam de supor. Em gramáticas e dicionários, é possível verificar essa flexibilidade. Já em manuais de estilo, sobretudo aqueles de grandes jornais, somente uma forma é eleita, pois os veículos de comunicação buscam padronizar e homogeneizar os textos que publicam. Não se trata de correção, mas de uniformização.

Sabendo que o “final de semana” pode carregar algum estigma em contextos avaliativos, eu sugeriria a preferência pelo “fim”.

Nos outros contextos, a escolha é livre. Vale também para fim/final de ano; fim/final de um show; fim/sinal do mês e assim por diante.

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.