20 Dezembro 2019

Como o verbo INTERVIR é derivado do verbo VIR, eles são conjugados da mesma maneira. Exemplos:

Eu vim 👉🏽 Eu intervim.

Ele veio 👉🏽 Ele interveio.

Eles vieram 👉🏽 Eles intervieram.

Se eles vierem 👉🏽 Se eles intervierem.

Vale o mesmo para os verbos CONVIR (“Quando isso convier, eu farei”), PROVIR, ADVIR e SOBREVIR, por exemplo.

 

Se você tem dificuldade com a conjugação dos verbos, assista à aula da professora Carol:

 

 

Como o verbo INTERVIR é derivado do verbo VIR, eles são conjugados da mesma maneira. Exemplos: Eu vim 👉🏽 Eu intervim. Ele veio 👉🏽 Ele interveio. Eles vieram 👉🏽 Eles intervieram. Se eles vierem 👉🏽 Se eles intervierem. Vale o mesmo para os verbos CONVIR (“Quando isso convier, eu farei”), PROVIR, ADVIR e SOBREVIR, por […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



20 Dezembro 2019
EMERGIR: trazer à tona, subir, vir à tona, aparecer, surgir, elevar. Por isso falamos em países emergentes, ou seja, em desenvolvimento ou em processo de ascensão social e econômica.
IMERGIR: mergulhar, afundar, esconder, adentrar, submergir. Por isso falamos em “imersão” quando alguém se muda para outro país para aprender uma língua.
PULO DO GATO 🐾
Você já reparou que existem várias palavras que mudam de sentido quando a letra inicial é “i” ou “e”? Veja:
📍IMIGRAR x EMIGRAR
📍IMPORTAR x EXPORTAR
📍INTERNO x EXTERNO
📍IMERGIR x EMERGIR
📍INTERIOR x EXTERIOR
Em todas elas, as palavras iniciadas por “i” têm uma ideia de entrar, de ir para o interior, enquanto as palavras iniciadas por “e” têm uma ideia de ir para fora, sair, ir para o exterior. Não é uma regra, mas essa associação ajuda a fazer inferências corretamente.
Para fixar bem, assista também à explicação do professor Pablo sobre os verbos IMIGRAR e EMIGRAR:

EMERGIR: trazer à tona, subir, vir à tona, aparecer, surgir, elevar. Por isso falamos em países emergentes, ou seja, em desenvolvimento ou em processo de ascensão social e econômica. IMERGIR: mergulhar, afundar, esconder, adentrar, submergir. Por isso falamos em “imersão” quando alguém se muda para outro país para aprender uma língua. PULO DO GATO 🐾 Você já […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



20 Dezembro 2019

Escolha a opção correta:
A festa será decorada com cortinas… rosa / rosas.

👇

👇

👇

Acertou quem respondeu sem a flexão de número, ou seja, “cortinas rosa”.

Sempre que o nome de uma cor corresponder a algo existente no mundo, ele deverá permanecer invariável, ou seja, sempre no SINGULAR. Outra maneira de dizer isso é avaliar se o nome da cor deriva de um substantivo. Somente os nomes de cores que derivam de substantivos não vão para o plural.

Mais exemplos:

📍Minha nova casa terá tons PASTEL. (O nome da cor corresponde a um alimento.)

📍Os cadernos têm capas LARANJA. (O nome da cor corresponde a uma fruta.)

📍Compramos algumas camisetas VIOLETA. (O nome da cor corresponde a uma flor.)

📍Há dois carros CINZA parados em local proibido. (O nome da cor corresponde ao pó que resta após algo ser queimado.)

 

Não se esqueça de que para as outras cores a concordância é feita normalmente:

► Decoramos a sala com tons azuis.
► Toalhas vermelhas serão usadas nas mesas.
► Vamos espalhar flores amarelas pelo jardim.

 

Se preferir, assista à explicação do professor Pablo:

Escolha a opção correta: A festa será decorada com cortinas… rosa / rosas. 👇 👇 👇 Acertou quem respondeu sem a flexão de número, ou seja, “cortinas rosa”. Sempre que o nome de uma cor corresponder a algo existente no mundo, ele deverá permanecer invariável, ou seja, sempre no SINGULAR. Outra maneira de dizer isso […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



11 Dezembro 2019

Vem que eu vou contar tudinho sobre esse assunto!

A informação é verdadeira e se deve ao fato de que os romanos dedicaram cada dia da semana a uma divindade de sua mitologia, na seguinte sequência: deus Sol, deusa Lua, Marte (deus da guerra), Mercúrio (deus da eloquência e do comércio), Júpiter (deus do raio e do trovão), Vênus (deusa do amor) e Saturno (deus do tempo).

 

Essas divindades eram representadas pelos astros que os romanos conseguiam ver. E esse sistema de nomenclaturas foi seguido por praticamente todas as línguas europeias. Veja:
Espanhol: lunes, martes, miércoles, jueves, viernes, sábado, domingo.⁣⁣
Francês: lundi, mardi, mercredi, jeudi, vendredi, samedi, dimanche.⁣⁣
Italiano: lunedì, martedì, mercoledì, giovedì, venerdì, sabato, domenica.⁣⁣
Porém, como os dias eram consagrados a divindades “pagãs”, os cristãos romanos não aceitaram essa forma de nomeá-los. Na região oeste da Península Ibérica, hoje Portugal, um arcebispo condenava o sistema de “nomearem por ‘demônios’ os dias que Deus fez”. Assim, adotaram um sistema enumerativo:
Prima feria (domingo)
Secunda feria (segunda-feira)
Tertia feria (terça-feira)
Quarta feria (quarta-feira)
Quinta feria (quinta-feira)
Sexta feria (sexta-feira)
Eles mantiveram somente o nome do último dia da semana: o sabbatum, que vem do Shabbat judeu.
Em 321 d.C., o imperador romano Constantino I trocou a denominação do primeiro dia (Prima Feria) por Dies Dominicus (“Dia do Senhor”), considerando que esse foi o dia da ressurreição de Cristo. É daí que surgiu o nosso “domingo”.
Bom, a Igreja Católica não queria ficar sozinha nessa e conduziu uma vigorosa campanha – por séculos – para que todos os idiomas adotassem o sistema enumerativo, mas não adiantou: a língua portuguesa é a única língua românica em que o nome dos planetas foi de fato substituído pelos numerais.
O uso de “feria” (que se tornou “feira” em português) ainda é controverso, pois em latim esse termo significa “dia de descanso; férias”. Há varias hipóteses diferentes para explicá-lo. Estas estão entre as mais populares:
• A ordem do bispo valia apenas para os dias da Semana Santa, em que se recomenda o descanso para os cristãos. Depois é que a nomenclatura acabou sendo estendida para o ano inteiro.
• Para alguns estudiosos, “feria” está relacionada a “ferre” (levar). Esse seria o dia de levar o gado e os frutos da terra para vender no mercado (mais tarde, feira), o que era considerado um dia de descanso, já que o trabalho real consistia em lidar com a terra.
Hoje, os dias que levam “feira” são os dias de trabalho, mas, no plural, o termo “feria” indica justamente o período de descanso (férias).
Fonte: livro “A origem curiosa das palavras”, de Márcio Bueno.

Vem que eu vou contar tudinho sobre esse assunto! A informação é verdadeira e se deve ao fato de que os romanos dedicaram cada dia da semana a uma divindade de sua mitologia, na seguinte sequência: deus Sol, deusa Lua, Marte (deus da guerra), Mercúrio (deus da eloquência e do comércio), Júpiter (deus do raio […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.