7 Agosto 2017
(  ) A palestra foi sobre ensino, educação, língua portuguesa etc.
(  ) A palestra foi sobre ensino, educação, língua portuguesa, etc. 
A vírgula antes de “etc.” é FACULTATIVA.
Sendo assim, como decidir se você deve usar ou não?
Vamos às explicações.
Tradicionalmente, não se recomendava vírgula antes de “etc.” porque se trata de uma abreviatura (usada internacionalmente) para a expressão latina “et cetera” (ou ainda “et cætera”, ou “et coetera”), que significa “e assim por diante”, “e outras coisas do mesmo tipo” ou “e o resto”. Como sabemos, são poucos os casos em que aparece vírgula antes do “e” em língua portuguesa (e a listagem de itens NÃO está entre eles).
Como a expressão é iniciada pela conjunção “et” (que corresponde ao nosso “e”), muitos condenam também o uso do “e etc.” alegando que isso geraria uma repetição.
No entanto, a visão gramatical moderna tem se distanciado desses preceitos, especialmente porque a etimologia de cada palavra ou expressão acaba se perdendo com o tempo e seria impossível nos mantermos informados acerca de todas essas amarras ao fazermos uso da língua.
Temos, então, duas possibilidades de uso:
Comprei leite, legumes, frutas, etc. no mercado.
Comprei leite, legumes, frutas etc. no mercado. 
Reparem que, mesmo aparecendo no meio da frase, o “etc.” permanece com ponto final, pois ele faz parte da abreviatura. Mas, se o “etc.” estivesse no fim da frase, não dobraríamos o ponto (ou seja, um único sinal serviria para indicar o fim da frase e o fim da abreviatura):
Comprou no mercado leite, legumes, frutas etc.  
Comprou no mercado leite, legumes, frutas, etc.  
Também não se recomenda usar o “etc.” acompanhado de reticências, pois esses dois recursos podem ter a mesma função (indicar que há outros itens naquela enumeração).
A vírgula só é obrigatória se repetirmos o “etc.” algumas vezes, pois nesse caso teríamos uma enumeração: “Ele tentou se justificar, começou a falar dos problemas que está vivendo, citou que perdeu o emprego etc., etc., etc.” (Reparem que antes do primeiro “etc.” poderia haver vírgula ou não).
Por fim, apesar de EU achar que é uma tentativa de erudição um pouco excessiva, também se sabe que antigamente era comum criticarem também o uso de “etc.” ao final de uma lista de pessoas, visto que, ao pé da letra, a expressão se refere a outras “coisas”. Mesmo sabendo que muitos autores usam o “etc.” em referência a pessoas, algumas alternativas para quem preferir evitar esse emprego são “e assim por diante” e “entre outros”, por exemplo.
Diante de tantas possibilidades, o importante é se atentar a padronizações. Dentro de um mesmo trabalho acadêmico, por exemplo, escolha uma opção e use-a até o fim, para manter o texto uniforme. Se você trabalha para empresas como editoras, jornais e revistas, procure saber o padrão da casa, uma vez que em cada lugar é adotada uma convenção diferente, algo fácil de perceber com a leitura de diversos jornais.
Nos demais contextos, fique à vontade para ter suas preferências, sempre com a certeza de que qualquer opção pode ser considerada correta.

 

 

ig   yt  fb  tw

(  ) A palestra foi sobre ensino, educação, língua portuguesa etc. (  ) A palestra foi sobre ensino, educação, língua portuguesa, etc.  A vírgula antes de “etc.” é FACULTATIVA. Sendo assim, como decidir se você deve usar ou não? Vamos às explicações. Tradicionalmente, não se recomendava vírgula antes de “etc.” porque se trata de uma […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



25 Abril 2017

Neste vídeo, Pablo discute o significado de pleonasmo, mostra alguns exemplos e explica por que é uma bobagem a ideia de que pleonasmo é sempre um erro!

Para a conceituação de pleonasmo, foram usadas a Gramática Houaiss (José Carlos de Azeredo) e a Nova Gramática do Português Contemporâneo (Celso Cunha, Lindley Cintra).

Curta este vídeo, se inscreva no canal e acompanhe também as outras redes:

| Instagram e Facebook: portugueselegal
| Twitter: @portelegal
| E-mail: portugueselegal@gmail.com

Neste vídeo, Pablo discute o significado de pleonasmo, mostra alguns exemplos e explica por que é uma bobagem a ideia de que pleonasmo é sempre um erro! Para a conceituação de pleonasmo, foram usadas a Gramática Houaiss (José Carlos de Azeredo) e a Nova Gramática do Português Contemporâneo (Celso Cunha, Lindley Cintra). Curta este vídeo, […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



13 Março 2017

Muitos dicionários definem a ironia como uma figura por meio da qual dizemos o contrário daquilo que realmente pretendemos expressar. No entanto, essa característica não é suficiente para ensinar alguém a ser irônico, principalmente por escrito, quando não contamos com o recurso da entonação. Neste vídeo, Carol ensina outros aspectos para quem quer ser irônico por escrito. Assistam e se inscrevam em nosso canal!

 

Muitos dicionários definem a ironia como uma figura por meio da qual dizemos o contrário daquilo que realmente pretendemos expressar. No entanto, essa característica não é suficiente para ensinar alguém a ser irônico, principalmente por escrito, quando não contamos com o recurso da entonação. Neste vídeo, Carol ensina outros aspectos para quem quer ser irônico […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.



28 Outubro 2016

Chamamos de “língua morta” aquelas que não têm mais falantes nativos e que não são aprendidas por crianças naturalmente, mas que podem ser estudadas por estarem registradas em documentos! Se não houver registro, a língua não é considerada morta e sim extinta.

Algumas línguas mortas são o latim, o sânscrito, o chinês antigo, o grego antigo, o etrusco e o sumério.

Essas informações são de uma matéria da revista Mundo Estranho (novembro 2016), escrita pelo repórter Lucas Baptista. Foi essa matéria que inspirou esta postagem.

O português brasileiro pode morrer? Claro que, algum dia, sim, mas não é o que está acontecendo no momento. Aliás, devido ao grande número de falantes, nossa língua tem crescido mais e mais. Há até alguns portugueses que não ficam muito felizes com isso, pois sentem que o português europeu pode estar ameaçado. De todo modo, mesmo países onde se estuda o português europeu, como Moçambique e Angola, têm incorporado muito do português brasileiro, principalmente por meio de nossas novelas que são exibidas lá.

Se você está se perguntando se os “erros” dos brasileiros podem “assassinar” nossa língua, respondo: NÃO. A língua muda mesmo, e muito do que consideramos certo hoje já foi considerado errado. Comparando o português que usamos atualmente com o português de 100 anos atrás, é possível que aqueles falantes lamentassem as mudanças. Mas, do mesmo modo, comparando a forma como eles falavam o português de 200 anos atrás, as diferenças também seriam gritantes. Portanto, não são as mudanças que matam uma língua, mas sim a falta de uso ou a falta de falantes para mantê-la viva. Acho que o português brasileiro não correrá esse risco por um bom tempo.

 

pel137

Chamamos de “língua morta” aquelas que não têm mais falantes nativos e que não são aprendidas por crianças naturalmente, mas que podem ser estudadas por estarem registradas em documentos! Se não houver registro, a língua não é considerada morta e sim extinta. Algumas línguas mortas são o latim, o sânscrito, o chinês antigo, o grego […]

Leia mais

escrito por

Nossa missão é combater o preconceito linguístico e dar dicas sobre o padrão da língua, que todos têm o direito de conhecer.